Colômbia

No fim do mandato de Santos, Colômbia reconhece Estado palestino

Novo presidente colombiano, Iván Duque, examinará as implicações da decisão do seu antecessor

Iván Duque é recebido por Juan Manuel Santos ao chegar ao palácio de Nariño, sede da presidência.
Iván Duque é recebido por Juan Manuel Santos ao chegar ao palácio de Nariño, sede da presidência.EFE

Antes de entregar o poder, o agora ex-presidente Juan Manuel Santos decidiu que a Colômbia reconhecesse a Palestina como um “Estado livre, independente e soberano” e informou essa medida ao novo mandatário, Iván Duque, confirmaram fontes diplomáticas nesta quarta-feira. A Colômbia era o único país sul-americano que ainda não havia reconhecido o Estado palestino.

“Somos conscientes das dificuldades e sofrimentos que a população palestina tem enfrentado. Também reconhecemos que, para a construção gradual de seu Estado, a unidade da nação palestina é um imperativo, e esperamos que continuem se dando as condições internas para superar os desafios que se apresentam no caminho”, diz a carta oficial, datada de 3 de agosto e assinada por María Ángela Holguín, ministra de Relações Exteriores durante os dois mandatos de Santos (2010-2018). Nesta terça-feira, após a posse de Duque, Holguín foi substituída no cargo por Carlos Holmes Trujillo.

Mais informações

O comunicado, dirigido ao ministro de Relações Exteriores do Estado da Palestina, Riad Malki, considera, com relação ao conflito entre Israel os palestinos, que “a negociação direta é a melhor maneira de chegar a uma solução duradoura e justa que permita a ambos os povos e Estados conviver de maneira pacífica”.

Santos informou a decisão à equipe de Duque dias antes de terminar seu mandato, e nesta quarta-feira o novo Governo reconheceu a nota assinada por Holguín, conforme declarações feitas por Trujillo na ilha de San Andrés, onde acompanhou o mandatário em sua primeira viagem oficial. “Diante de possíveis omissões que poderiam depreender-se da forma como se deu esta decisão do antigo Governo, o [novo] Governo examinará cuidadosamente suas implicações e agirá em conformidade com o direito internacional”, disse o recém-empossado chanceler.

A decisão “é profundamente grata para o povo palestino e seu Governo, que sempre viram a Colômbia e seu povo como irmãos infatigáveis na busca pela paz. Essa fraternidade se construiu durante mais de um século e hoje se vê materializada com uma das comunidades palestinas mais numerosas de toda a América Latina”, afirmou a Embaixada palestina em nota publicada nesta quarta-feira.

Já a Embaixada de Israel em Bogotá se mostrou “surpresa e decepcionada”, qualificou a decisão como “uma bofetada a um aliado fiel” e solicitou que seja revertida.

O Governo de Ernesto Samper (1994-1998) abriu as portas para a instalação da missão diplomática da Palestina na Colômbia, e o Governo de Santos já tinha elevado o status dessa legação, mas sem chegar ao pleno reconhecimento. Nos últimos oito anos, a diplomacia colombiana apoiou na ONU as resoluções que tratam da questão palestina.

Depois que o Uruguai reconheceu a Palestina como um Estado, em março de 2011, a Colômbia permanecia como o único país da região que não tinha dado esse passo. Naquele mesmo ano, um grupo de destacados estudiosos colombianos das relações internacionais assinou uma carta pública dirigida a Santos argumentando que “o reconhecimento da soberania do Estado Palestino é um ato consequente com a história, os valores e os interesses da Colômbia”.

A decisão foi o resultado “de um profundo trabalho de aproximação entre os Governos colombiano e palestino, esforço que hoje dá seus frutos e que sem dúvida será fortalecido no futuro próximo para bem de ambos os povos”, acrescentou a embaixada palestina na quarta-feira.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50