Argentina

Empresário faz delação premiada no caso que mais compromete Cristina Kirchner

Os dados fornecidos por um ex-executivo da empreiteira espanhola Isolux Corsán se somam aos cadernos escritos durante 10 anos por um chofer do poder

Detalhe de um dos cadernos onde o chofer Oscar Centeno registrou o transporte de suposto dinheiro de propina durante o kirchnerismo.
Detalhe de um dos cadernos onde o chofer Oscar Centeno registrou o transporte de suposto dinheiro de propina durante o kirchnerismo. (AFP - La Nación)

MAIS INFORMAÇÕES

As notas minuciosas de um chofer revelaram aquela que pode ser a maior rede de corrupção já descoberta na Argentina. Oito cadernos detalham os supostos subornos milionários pagos durante 10 anos por empreiteiras de obras públicas durante o kirchnerismo. A pressão judicial abriu uma caixa de Pandora. O último protagonista foi o empresário Juan Carlos Goycoechea, que aceitou a delação premiada e disse em depoimento que pagou subornos em troca de contratos com o Estado em nome da multinacional espanhola Isolux Corsán.

As sacolas com dinheiro que foram transportadas durante 10 anos por Oscar Centeno, motorista do número dois do ministério de Planejamento do kirchnerismo, Roberto Baratta, ameaçam levar à prisão os mais graduados funcionários do antigo Governo. Em 13 de agosto, o juiz Claudio Bonadio ouvirá o depoimento da ex-presidenta Cristina Fernández de Kirchner (2007-2015), apontada como chefa de uma associação criminosa criada para se enriquecer com dinheiro do Estado. Centeno anotou obsessivamente os pagamentos que durante uma década ajudou a concretizar com seu veículo. Listava nomes dos envolvidos, endereços e detalhes que a Justiça conseguiu em boa medida confirmar. O processo já levou 17 pessoas à prisão, entre ex-altos funcionários públicos e, uma grande novidade na Argentina, empresários acusados de pagar os subornos.

A Justiça levou sete meses para checar boa parte dos escritos de Centeno através de vias alternativas, como o cruzamento de ligações telefônicas e os registros de entrada nos órgãos públicos onde, supostamente, o dinheiro arrecadado era depositado. Nos cadernos entregues pelo motorista constam pagamentos de 56 milhões de dólares (207,6 milhões de reais, pelo câmbio atual), mas Bonadio especula que a cifra da corrupção pode chegar a mais de 200 milhões de dólares.

O número dois do ministério de Planejamento durante o kirchnerismo, Roberto Baratta, detido pela polícia.
O número dois do ministério de Planejamento durante o kirchnerismo, Roberto Baratta, detido pela polícia. (AFP)

O quebra-cabeça começou a ser montado graças a um chofer com boa memória e muito minucioso em suas anotações, mas a pressão judicial pode desencadear confissões muito mais relevantes e comprometedoras. Como a do empresário Goycoechea, executivo-chefe da espanhola Isolux Corsán, uma construtora que em 2015 somou contratos na Argentina no valor de 1,2 bilhão de dólares (4,5 bilhões de reais). Goycoechea estava esquiando na Patagônia quando seu nome apareceu na imprensa. Bonadio tentou detê-lo em Buenos Aires, e como não o encontrou o declarou foragido. Na sexta-feira, o empresário se apresentou com seus advogados nos tribunais federais e pediu o benefício da delação premiada.

Perante o juiz, admitiu ter feito pagamentos em espécie para obter contratos de obras públicas para a Isolux, mas disse que foi “obrigado” a isso pelos funcionários kirchneristas, conforme reconstruiu o jornal La Nación a partir de fontes judiciais. Disse ainda que os subornos ocorreram entre junho de 2008 e outubro de 2015, mas numa cifra total muito inferior aos seis milhões de dólares que Centeno lhe atribuiu em seus cadernos manuscritos. Goycoechea foi alto executivo da Isolux até fevereiro deste ano, quando a matriz da empresa o demitiu sob a acusação de se apropriar de recursos da companhia em operações com cheques bancários. Nessas acusações internas não havia qualquer menção a corrupção empresarial.

O juiz Bonadio espera agora que o depoimento de Goycoechea seja o primeiro de uma longa lista de empresários acusados de corrupção. Se for assim, a Argentina estará diante de uma completa novidade. A chamada Lei do Arrependido, que concede benefícios judiciais e econômicos aos delatores, tem menos de dois anos e foi aprovada pelo Congresso argentino no calor do caso brasileiro Lava Jato, a investigação por corrupção que levou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à prisão.

O problema argentino da Isolux

A Isolux Corsán passa por um mau momento na Argentina. Depois de aparecer na lista de empresas preferidas do kirchnerismo, hoje enfrenta problemas judiciais vinculados a muitos dos contratos assinados naqueles tempos de bonança. A obra mais importante do grupo espanhol foi a construção, por 1,4 bilhão de dólares (5,2 bilhões de reais), da central térmica de Río Turbio, na Patagônia. O governo de Mauricio Macri anulou o projeto em março passado por suposto descumprimento de contrato. O ex-ministro de Planejamento do kirchnerismo, Julio De Vido, enfrenta acusações num processo que investiga o desvio de recursos públicos nessa obra.

A empresa espanhola também enfrenta problemas na cidade de Buenos Aires, onde em novembro de 2017 perdeu um milionário contrato para o desenvolvimento do Paseo del Bajo, o projeto de infraestrutura urbana mais importante dos últimos 40 anos. O departamento viário nacional decidiu, além disso, suspender o acordo alcançado com a Isolux para a construção de uma rodovia na província patagônica de Chubut.

Arquivado Em: