Coluna
i

“Aqui no Brasil não tenho futuro”

Estará algum candidato pensando em preparar um futuro de segurança e modernidade aos milhões de jovens que lutaram para chegar à universidade e agora sonham em vencer?

USP Imagens

MAIS INFORMAÇÕES

Uma coisa é uma pesquisa fria revelar que 63% dos jovens brasileiros desejam buscar uma vida melhor fora do país, e outra é ficar cara a cara, como me aconteceu outro dia, com um desses jovens, em carne e osso, um técnico de eletrônica que te olhando com uns olhos visivelmente tristes, confidencia: “Estou pensando em ir embora. Eu estou procurando de Portugal até a Austrália por um lugar onde eu possa desenvolver minha profissão. Aqui, no Brasil, não tenho futuro.” E acrescentou: “Quero viver em um país sério.” Senti pena e raiva ao mesmo tempo.

O Brasil vive, de fato, um grande vazio de liderança política. Deixou de ser não só o país do futuro, como se bradou um dia, mas até mesmo do presente, onde os jovens sentem que muitos dos que os governam pensam mais em como manter seus privilégios e perpetuar-se no poder do que ouvir o que esta sociedade pede e o que rejeita. Talvez fosse isso o que o jovem entendia por um país que não é sério.

Neste momento, por exemplo, nenhum dos candidatos às próximas eleições presidenciais parece ter um projeto de país com maiúscula capaz de oferecer esperança a uma sociedade mais madura do que pensam os políticos. Talvez não seja por acaso e tenha tido matizes políticos o fato de que, com um dos melhores times da Copa do Mundo, o Brasil tenha perdido o hexacampeonato que tantos lhe preconizavam. Os possíveis candidatos à presidência do Brasil – um país grande como um continente, onde muitos estados agonizam mergulhados em dívidas e castigados pela violência – não parecem oferecer uma renovação profunda.

Desgastados como estão pela pequena política de curral, vendem-nos o triste espetáculo do vazio de projetos. Parecem estar pensando mais em como ganhar segundos de propaganda eleitoral, como conseguir o apoio dos partidos que se vendem à melhor oferta, sem importar se são ou não afinados com sua ideologia. Tudo parece valer para conseguir votos em uma feira onde se põe à venda até a própria identidade.

Nos muitos partidos brasileiros, quem continua dando as cartas são os de sempre, mesmo os envolvidos em escândalos de corrupção, impedindo a passagem de novos líderes jovens. E, no entanto, o Brasil é um país que precisaria de uma renovação profunda capaz de saber usar a força de sua sociedade rica em recursos naturais, com mil experiências de vanguarda que se perdem no vazio da falta de projetos em nível nacional onde canalizá-las. Para esse Brasil que quer mais, os políticos continuam oferecendo o prato de comida rançosa de sempre. E isso em um mundo que se espelha na pós-modernidade, aquela que não assusta os jovens. Querem-na e procuram-na lá fora. E irão embora se não se sentirem realizados aqui.

Estará algum candidato de fato pensando em preparar um futuro de segurança e modernidade, sem ideologias ultrapassadas, para os milhões de jovens que lutaram para chegar à universidade e agora sonham em vencer? Pelo contrário, parece que os candidatos a governar o país se esforçam para se maquiar e se disfarçar para conseguir votos de qualquer jeito. Até o ultradireitista Bolsonaro que sempre demonstrou desprezo pelas minorias hoje diz que temos de aceitar “como irmãos” os afrodescendentes, de quem disse um dia que “não serviam para procriar”.

Vemos até candidatos progressistas dispostos a se prostituírem para aumentar o consenso fazendo pactos obscuros com partidos corruptos e conservadores, indicando que vale tudo para ganhar as eleições. O que menos parece importar aos políticos que pretendem tomar as rédeas do país em suas mãos é o Brasil como um projeto. Um projeto que não só o pacifique, mas que também abra novos caminhos.

As eleições de outubro serão um teste para ver se podemos começar a esperar algo diferente de toda essa pobreza política que está aí e que logo começará a ser gritada em uma propaganda ruidosa e vazia. Será a sociedade, com seu voto, capaz de ganhar uma copa melhor do que a que perdeu na Rússia? Será capaz de oferecer um país sério, aquele que o jovem técnico está disposto a ir buscar lá fora porque não o encontra aqui? Ele mesmo disse: “Se pudesse, preferiria morar aqui, onde nasci e onde tenho minha família e meus amigos”. Esse “se pudesse”, deveria envergonhar aqueles que têm o poder e o dever de criar condições para que esses jovens não tenham de fugir abandonando suas raízes.