Copa do Mundo Rússia 2018

Lucas Hernández, finalista na Copa graças à burocracia e a Hierro

Ex-diretor esportivo da Federação Espanhola evitou o erro de que se naturalizasse espanhol e agora o lateral pode jogar pela França

Lucas Hernández, depois da vitória da França contra a Bélgica.
Lucas Hernández, depois da vitória da França contra a Bélgica.Shaun Botterill / Getty Images

Lucas Hernández está com a cabeça raspada. O look não é um capricho estético. Tem a ver com a definição que Antoinne Griezmann aplica à seleção francesa: “Somos um exército”. Griezmann, como Lucas e alguns jogadores franceses, também exibe um corte de cabelo curto. Até o excêntrico Paul Pogba optou por raspar a nuca e não adornou sua cabeleira com um penteado excêntrico e com algumas das tinturas escandalosas que chegou a exibir. “Lucas é um dos meus soldados, mas precisa melhorar no ataque”, brincou Griezmann quando perguntaram-lhe sobre seu colega do Atlético de Madrid no começo da Copa. Um campeonato que Lucas pôde jogar pela França por uma ligação preventiva de Fernando Hierro, agora ex-diretor esportivo da Federação, quando tudo estava certo para que Julen Lopetegui o recrutasse convocando-o para os amistosos da Espanha em março.

Nascido em Marselha, mas criado na Espanha, a Federação Espanhola e seu agente, Manuel García-Quilón, manobraram para que Lucas, que nunca havia sido convocado por Deschamps para a seleção francesa principal, vestisse a camisa da Espanha. O excesso de zelo de Hierro evitou que isso ocorresse uma semana antes de que seu pedido para se naturalizar espanhol fosse aprovado no Conselho de Ministros. Se recebesse a nacionalidade espanhola e renunciasse à francesa, Lucas não poderia jogar essa Copa por nenhum dos dois países. Se não fosse por Hierro, o defensor não estaria a uma partida de ser campeão do mundo.

Mais informações

Lucas já deu declarações em que dizia sentir-se identificado com a Espanha e deixava subentendido que em breve seria convocado por Lopetegui. Hierro quis assegurar-se antes de que não iriam dar um passo em falso e fez uma ligação a um de seus contatos na FIFA. A resposta da instituição foi contrária à naturalização de Lucas desde o começo. A consulta chegou ao Comitê do Estatuto do Jogador da FIFA. García-Quilón e outros diretores da Federação Espanhola não acreditaram nas notícias que Hierro lhes deu. Irritados e unidos, um dia depois ainda insistiam que Lucas, apesar de ter disputado um campeonato europeu sub-19 com a França, poderia jogar pela Espanha. Somente uma carta da FIFA ratificando que não poderia ocorrer a mudança de federação, e a própria insistência do diretor esportivo da Federação Espanhola de não colocar em risco o futuro internacional do jogador, evitaram o erro. Caso ocorresse, Hierro teria sido muito questionado no cargo.

Naturalidade

Quando Lucas foi convocado por Deschamps, precisou fazer um discurso bem diferente ao que pronunciou durante meses. O técnico francês também colaborou com sua integração e que a imprensa francesa não questionasse demais essa mudança de caminho.

Deschamps agora está encantado com o rendimento oferecido por Lucas durante a Copa. Apesar de ser mais zagueiro do que lateral, diante da má fase de Mendy, utilizou-o como lateral esquerdo, uma posição em que também já jogou no Atlético quando Filipe Luís esteve contundido. Como aconteceu quando Simeone foi obrigado a escalá-lo contra o Barcelona e o Bayern de Munique na Champions League, apesar de sua juventude, Lucas não sentiu a responsabilidade. “Para mim, jogar de lateral esquerdo já é algo natural. Estou bem porque já me acostumei à posição no Atlético”, afirma. “Defensivamente trabalhamos muito nos últimos treinos para poder chegar a esse nível. Deschamps não gostou dos três gols sofridos contra a Argentina e insistiu muito no trabalho de todas as linhas”, diz Lucas.

No domingo, a partida da sua vida o aguarda. Irá disputá-la graças à burocracia e por aquela ligação de Fernando Hierro. Caso contrário, já estaria agora treinando com o Atlético de Madrid.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete