O último caderno de Saramago

A viúva do escritor português, Pilar del Río, encontra textos inéditos redigidos no ano em que ele recebeu o Nobel

O escritor José Saramago, em fevereiro de 1998, em Barcelona.
O escritor José Saramago, em fevereiro de 1998, em Barcelona.Consuelo Bautista (EL PAÍS)

O ano de 1998 começou em Lanzarote com uma tempestade noturna que arrancou as duas oliveiras que José Saramago tinha em sua casinha branca. O escritor terminou dezembro reclinado numa filial da loja de departamentos El Corte Inglés, em Madri, procurando um par de meias. A casual descoberta do sexto caderno de Lanzarote, com textos sobre sua atividade cultural e social, permitirá recompor a vida do autor português no ano em que recebeu o Nobel, duas décadas atrás.

Mais informações

Também era de noite quando sua viúva e tradutora, Pilar Del Río, vasculhava nesta primavera boreal os computadores de Saramago, conservados em sua casa de Lanzarote. A diretora da Fundação que leva seu nome reunia, ao lado do poeta e ensaísta Fernando Gómez Aguilera, conferências dispersas do prêmio Nobel para publicá-las neste aniversário. “Essa foi a origem da descoberta do sexto caderno de José”, explica Pilar. “No processo de pesquisa, rastreamos outra vez os computadores. Já bem de noite e muito cansada, cliquei na pasta que dizia ‘Cadernos’. Não a havia aberto em 20 anos, como não havia aberto a pasta de ‘Todos os Nomes’, pois eram pastas de livros terminados. Afinal, para que entrar e remover memórias e recordações? Mas, nesse afã de busca, cliquei em ‘Cadernos’ e ali estavam todos os publicados, do um ao quinto, mas debaixo havia um sexto. Eu não podia acreditar. Abri e o arquivo estava cheio de textos. Naquela hora da noite, me pareceu bruxaria.”

O sexto caderno de Saramago terá lançamento mundial em 8 de outubro, por ocasião do Primeiro Congresso Internacional sobre o escritor, em Coimbra. No mesmo dia, a editora espanhola Alfaguara e a portuguesa Porto publicarão outra obra com o título O Último Caderno de Lanzarote.

O mistério ou a bruxaria do sexto caderno não é tanto em relação aos escritos do próprio autor. Pois, no epílogo do quinto caderno da edição espanhola, em 1997, já se anunciava um sexto; e, em 2001, Saramago insistia de novo. “Atribuo o esquecimento ao terremoto que significou a entrega do Nobel”, explica sua viúva. “Atribuo aos acasos da vida, não às leis do marketing.” E, nesse capítulo de coincidências, vem também o fato de que este 20.o aniversário do Nobel de Saramago seja comemorado em um ano insólito, sem Nobel de Literatura.

Saramago (esquerda) recebe o Nobel de Literatura das mãos do rei Carlos Gustavo da Suécia, em dezembro de 1998.
Saramago (esquerda) recebe o Nobel de Literatura das mãos do rei Carlos Gustavo da Suécia, em dezembro de 1998.JAN COLLSIOO (EL PAÍS)

Por vezes, o diário só enuncia um tema que passa pela cabeça do autor. Outras datas recordam encontros com colegas e compromissos culturais. Mas há dias em que Saramago não tem freio, geralmente em relação a leitores e políticos, e é então quando sai a autêntica personalidade do autor de O Ano da Morte de Ricardo Reis (Companhia das Letras, 1988). “É um diário muito completo e muito atual”, explica Pilar, “com suas inquietudes sobre os problemas da época, que continuam sendo hoje de máxima atualidade, como a imigração e a União Europeia.”

O Último Caderno de Lanzarote é um genuíno Saramago, com sua preocupação com a persiana mal fechada e com seus demônios: o FMI, os Estados Unidos da América do Norte (EUAN, como ele diz) e o então primeiro-ministro português, Aníbal Cavaco Silva, que fez tudo o que pôde para ser odiado em seu próprio país e que o motivou a se refugiar em Lanzarote.

Nesse ano extraordinário de 1998, há dias para recordar os cainitas que se negam a colocar seu nome em uma escola e para renegar os patriotas que se calam quando a OTAN ocupa território nacional, mas que se sublevam pelo fato de que a Espanha tenha dado a Portugal uma placa de Filipe II —rei de Portugal em 1580— por ocasião da Exposição Universal.

Saramago se indigna com o FMI porque mete o nariz nas instituições portuguesas. E também com os rumos da União Europeia: “A mesma Europa que gastou séculos e séculos para conseguir formar cidadãos só precisou de 20 anos para transformá-los em clientes”, escreve. O autor de Ensaio Sobre a Cegueira (Companhia das Letras, 1995) vê a globalização se aproximando (estamos em 1998): “Seja mundial ou europeia, é um totalitarismo.”

O Nobel perde sua aspereza quando se corresponde com seus leitores e sua legião de seguidores, alguns —algumas— absolutamente rendidos aos seus pés. “A única ideia original que saiu desses cadernos”, recorda, “é pedir que a obra completa de um escritor inclua um volume com as cartas dos leitores. É um inesgotável campo de trabalho.” E também uma prova da riqueza criativa das pessoas, conforme algumas cartas incluídas em O Último Caderno.

Nessa montanha-russa que são sempre alguns diários, estes de 1998 alcançam o cume com o discurso do Nobel e descem a este mundo terrenal onde a sua companheira te coloca no seu lugar, caso a vaidade tenha subido à sua cabeça, e exige, antes de comparecer a outro prêmio, que você vá comprar meias, já que bem precisa delas. E é assim, ajoelhado, escolhendo entre o que você não sabe, que alguém reconhece um autêntico prêmio Nobel em posição “tão pouco digna”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: