Copa do Mundo Rússia 2018

Mohamed Salah, orgulho muçulmano que emociona o Egito

O grande nome da equipe egípcia, que estará na Copa do Mundo mesmo com lesão recente no ombro, se destaca na carreira por atitudes solidárias e ligação com a religião

Torcedor egípcio ergue desenho de Salah em jogo da seleção.
Torcedor egípcio ergue desenho de Salah em jogo da seleção.Khaled Desouki (AFP)

Mais informações

Completando 26 anos neste 15 de junho, quando o Egito estreia na Copa do Mundo Rússia 2018 contra o Uruguai, Mohamed Salah soma grandes conquistas individuais em sua carreira de jogador de futebol, especialmente depois de uma ótima temporada pelo Liverpool. Só em 2017/18, foi artilheiro da Premier League, eleito melhor jogador da competição, levou seu clube à final da Champions League depois de dez anos e sua seleção para a Copa após quase três décadas. Mas, antes do sucesso no esporte, Salah chama a atenção por valores e ações, ligados à sua personalidade simples e generosa e à sua religião, que o acompanham desde o início da trajetória e que estarão, mesmo com a lesão no ombro sofrida a três semanas da estreia, presentes no Mundial. A equipe egípcia confirmou que ele teria condições de jogo nesta sexta.

Ainda adolescente, Salah treinava pelo Al Mokawloon, equipe da capital Cairo. Entretanto, morava na cidade de Nagrig, a quatro horas e meia de viagem do seu clube. Cinco vezes por semana, conciliando com a escola, viajava por nove horas para jogar futebol. Já profissional, com passagem pela seleção mas ainda no mesmo clube, o atacante viu a tragédia do Estádio Port Said, onde 74 pessoas morreram em confrontos de torcedores do Al Ahly com os do Al Masry, em fevereiro de 2012. O episódio deixou o campeonato egípcio suspenso por dois anos, e Salah só foi salvo por conta de um amistoso entre Basel, da Suíça, e a seleção sub-23 do país, onde os suíços se encantaram por ele e proporcionaram a entrada do jogador no futebol europeu.

Basel, Chelsea, Fiorentina, Roma, Liverpool. O egípcio viajou pela Europa nos anos seguintes, apesar de frequentemente visitar Nagrig durante as férias. Salah nunca esqueceu de suas origens, e utiliza sua condição financeira (na última temporada, o salário mensal do atacante era de 360 mil libras, cerca de um milhão e meio de reais) para ajudar o vilarejo de onde veio. Já fez doações para hospitais de Basyoun, cidade próxima, e investiu nas construções de escolas e institutos de caridade na região. A escola onde estudou, a mesma que mal conseguia frequentar por conta dos treinos, foi rebatizada para Mohamed Salah Industrial High School.

No dia 8 de outubro de 2017, Egito e Congo duelavam em Cairo por uma vaga na Copa do Mundo. Precisando da vitória para se classificar, Salah abriu o placar aos 18 minutos do segundo tempo, mas caiu no gramado desesperado ao ver Moutou empatar aos 42. Apesar da boa geração, a seleção ia ficando fora de seu sétimo Mundial seguido. Mas o camisa 10 pegou a bola, incentivou a equipe, pediu apoio do estádio lotado e guiou o time para um sufoco final. Aos 48 minutos da etapa complementar, pênalti para o Egito. Aos 50, Salah converteu e devolveu o país à Copa, causando um êxtase em Cairo. Para muitos, um momento de alívio e união de um país mergulhado em longa crise desde a Primavera Árabe. Por esse gol, o atacante ganharia uma mansão de um empresário local, mas pediu para que o valor fosse doado ao centro comunitário de Nagrig. E, durante a partida decisiva, um ladrão invadiu e roubou a casa de sua família. Ele foi pego pela polícia, mas Salah convenceu os familiares a não prestarem queixa. Ainda doou dinheiro para o criminoso e o ajudou a encontrar um emprego.

“Ele é um líder a ser seguido”

Sempre que marca um gol, Salah comemora de braços abertos para a torcida e, em seguida, se agacha encostando a cabeça no chão, um gesto típico da religião muçulmana. “É um gesto de devoção ao criador de todos”, explica Ali Zoghbi, vice-presidente da Federação das Associações Muçulmanas do Brasil (Fambras). “Ainda existe por muitos a percepção do Islã como uma religião exótica. O fato dele comemorar daquele jeito diferente leva [uma característica de sua crença] de uma maneira educativa para as pessoas e desconstrói preconceitos religiosos”.

O preconceito realmente fica de lado na principal música da torcida do Liverpool para Mo Salah. “Se ele marcar mais alguns gols, vou querer ser muçulmano também”, diz um dos versos do cântico. Para Zoghbi, a letra retrata um ídolo de pessoas que se identificam com ele, tanto pelos valores pessoais quanto pela qualidade como jogador de futebol. “O Islã tem a necessidade de fugir de estereótipos que se formaram a respeito da religião, e a importância do Salah reside nesse fato. Em um esporte de massa que é o futebol, ele diversifica uma mensagem de um muçulmano de paz, centrado no respeito das diferenças e das ações solidárias”.

Nas vésperas da final da Champions League, a religião de Salah foi alvo de polêmicas por conta do Ramadã, período no ano de cerca de um mês no qual os muçulmanos praticam jejum do nascer ao pôr do sol. A decisão, contra o Real Madrid, estava no meio deste período, o que significou algumas preocupações a respeito da preparação nutritiva do atleta para a final. Salah, segundo fisioterapeuta do Liverpool, escolheu interromper o jejum na preparação para a final. “Não existe imposição no Islã”, esclarece Ali Zoghbi. “O jejum não pode se sobrepor à saúde. Nas circunstâncias de um esporte de alto rendimento, você pode abrir mão do jejum pela sua integridade física”. E acrescenta: “Ainda, de acordo com o Alcorão, você não precisa fazer o Ramadã se está viajando. Se quiser recompensar, pode fazer em outro período, ou até mesmo praticar atos de caridade”.

Zoghbi reforça que o contexto da presença muçulmana na Inglaterra é diferente de outros países europeus, o que facilita a participação da crença islâmica e diminui a marginalização e a xenofobia. E comenta a comoção mundial para que o atacante se recuperasse a tempo da lesão no ombro e jogasse a Copa. “Como ele é muçulmano, nós automaticamente nos identificamos e torcemos por ele. Mas essa simpatia pelo Salah já extrapolou a religião. Ele é uma pessoa de bem e um líder a ser seguido, e precisamos de pessoas assim”.