Seleccione Edição
Login

Argentina cancela amistoso em Israel

Viagem da seleção albiceleste é suspensa diante dos protestos da Palestina contra um jogo organizado para comemorar o 70º aniversário do Estado de Israel

Cartaz em Hebron com a foto de Messi explica que Jerusalém é a capital da Palestina e afirma que são territórios ocupados.
Cartaz em Hebron com a foto de Messi explica que Jerusalém é a capital da Palestina e afirma que são territórios ocupados. AFP

A seleção argentina de futebol não viajará a Israel, como inicialmente previsto, para disputar no próximo sábado um amistoso de preparação para a Copa do Mundo da Rússia. Finalmente, as pressões políticas alcançaram seu objetivo e a Associação Argentina de Futebol (AFA) cancelou a partida.

No domingo, o presidente da Federação Palestina de Futebol, Jibril Rayub, divulgou o conteúdo de uma carta dirigida ao seu colega argentino, Claudio Tapia, na qual pediu que o jogo não fosse realizado. “O Governo israelense transformou um jogo de futebol em uma arma política. Como anunciou amplamente a imprensa argentina, a partida será realizada para comemorar o 70º aniversário do Estado de Israel”, advertiu Rayub na carta.

Um chamamento ao qual se juntaram 70 crianças palestinas, que assinaram outra carta endereçada ao astro argentino Lionel Messi, para dizer-lhe que, se jogasse em Israel, o faria “sobre as sepulturas” de seus antepassados, pois o estádio onde o jogo estava previsto –o Teddy Kollek, em Jerusalém– está localizado em um lugar de onde os palestinos foram deslocados, em 1948, durante a guerra que se seguiu à criação de Israel. “Você virá jogar com seus amigos em Malha, em um estádio construído sobre nossa aldeia destruída”, escreveram no texto entregue à legação diplomática argentina em Ramallah. Os organizadores do protesto decidiram que os signatários fossem 70 crianças, uma para cada ano de Nakba, o “desastre”, que para os palestinos representou o nascimento do Estado hebreu.

Mas, aparentemente, a gota que fez transbordar o copo foi o protesto, na terça-feira, em Barcelona, durante o treino da albiceleste, de cerca de vinte torcedores espanhóis e argentinos pró-palestinos, que receberam os jogadores gritando “não vão”, “não lavem a imagem de Israel”, e mostraram uma camiseta da seleção de Messi ensanguentada. “Acredito que no final foi possível fazer a coisa certa. Já ficou para trás, obviamente em primeiro lugar está a saúde e o senso comum”, disse o atacante da seleção argentina Gonzalo Higuaín ao canal ESPN em Barcelona.

O empenho da ministra da Cultura e Esporte de Israel, Miri Regev, para que a partida fosse realizada em Jerusalém catalisou os protestos. Regev conseguiu que o jogo –que segundo a imprensa israelense inicialmente aconteceria no estádio Sammy Ofer, em Tel Aviv– fosse transferido para o Teddy Kollek, o estádio-sede do FC Beitar, no oeste da Cidade Santa. Há a circunstância de que, além disso, é o campo de um time de futebol, o Beitar, cujos torcedores se gabam de serem racistas e de não permitirem jogadores árabes no clube.

No último domingo os ingressos para o amistoso foram colocados à venda e a expectativa era tal que em 20 minutos se esgotaram. Houve uma grande agitação nas redes sociais acusando os organizadores de reter uma grande parte dos ingressos para seus acordos. Segundo os dados publicados pela imprensa israelense, apenas 15.000 dos 31.000 ingressos foram colocados à venda, o que fez com que seus preços quintuplicassem em poucas horas para a revenda. A odisseia que para muitos foi conseguir uma entrada acabou sendo um esforço em vão, porque, enquanto nos territórios palestinos foi comemorada a decisão da Associação Argentina de Futebol, os fãs israelenses de Messi e da albiceleste terão de esperar sine die para vê-los jogar em Jerusalém.

De acordo com informações divulgadas na noite passada pelo Canal 10 da televisão israelense, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, teria pedido ao presidente da Argentina, Mauricio Macri –com quem mantém ótima sintonia– que intercedesse junto à AFA para que reconsiderasse sua decisão. Macri, que durante 13 anos presidiu o Club Atlético Boca Juniors, teria respondido que nada podia fazer para mudar a decisão de Tapia.

A Secretaria de Comunicação Pública do Governo argentino divulgou na noite passada um comunicado para lembrar que a AFA é um órgão independente e para enfatizar o apoio da Argentina à retomada do diálogo entre israelenses e palestinos, baseado na solução de dois Estados. “Lembramos que a AFA é uma associação civil sem vínculos com o Estado Argentino e que o Governo não participa ou tem qualquer interferência na organização do evento ou em qualquer outra atividade em que esta participe, em conformidade com os estatutos da FIFA”, diz o texto.

MAIS INFORMAÇÕES