Presidente do Starbucks deixa a empresa e abre caminho para ser o anti-Trump

Howard Schultz renuncia ao comando da rede de cafés seis meses depois de abandonar o dia a dia da gestão

O presidente do Starbucks, Howard Schultz.
O presidente do Starbucks, Howard Schultz.Ted S. Warren (AP)

MAIS INFORMAÇÕES

Howard Schultz decidiu se desvincular completamente da gestão da rede de cafés Starbucks, ao anunciar que no próximo dia 26 deixará a presidência da companhia. Em carta enviada aos funcionários, explicou que pretende se dedicar à filantropia e ao serviço público. Este último detalhe foi imediatamente interpretado como o início de uma possível carreira política.

O executivo já havia anunciado em dezembro que se retiraria da gestão cotidiana, quando cedeu o cargo de executivo-chefe a Kevin Johnson. Sua saída completa deixa agora o caminho livre para a nova equipe de gestão. A decisão fez as ações do Starbucks caírem mais de 2% no fechamento do mercado. Schultz foi o responsável por transformar um pequeno café de Seattle em uma das marcas mais reconhecidas do mundo.

Ele decide ampliar seus horizontes como já fizeram em algum momento Bill Gates e outros executivos ao se desvincularem completamente das companhias às quais seus nomes estavam associados. E, como Gates, Schultz se dedicará aos trabalhos de sua fundação familiar. A grande diferença entre os dois empresários, vizinhos em Seattle, é que o chefe do Starbucks é muito ativo em questões políticas e sociais.

Há uma semana, o Starbucks fechou quase 8.000 lojas nos EUA durante várias horas para que seus empregados participassem de uma oficina contra a discriminação racial, depois que dois homens negros foram presos em uma unidade de Filadélfia porque estavam esperando uma pessoa no interior da loja sem consumir nada. O vídeo com o momento da detenção viralizou e desatou um intenso debate. A polêmica adiou os planos de aposentadoria do executivo.

O pedido de demissão estava pronto havia meses. Myron Ullman, que dirigiu as lojas de departamentos JCPenny, foi nomeado presidente do conselho de administração do Starbucks. Mellody Hobson, presidenta-executiva do fundo Ariel Investments, assumirá a vice-presidência quando a substituição for concluída, no final do mês. A transição, que teve início em dezembro, já vinha motivando comentários sobre os planos políticos de Howard Schultz.

O empresário apoiou sem hesitação a candidatura presidencial de Barack Obama e depois a de Hillary Clinton. Após a vitória eleitoral de Donald Trump, em 2016, especulou-se inclusive com a possibilidade de que ele pudesse disputar a Casa Branca em 2020. “Vou examinar várias opções”, diz ele na nota, “mas ainda resta muito por saber sobre o que o futuro me reserva”.

Em uma entrevista ao The New York Times, deixou aberta a possibilidade um dia chegar à Casa Branca. “Há bastante tempo preocupa-me profundamente o nosso país”, observa em seu comentário. Cita especificamente a divisão interna e a posição que os Estados Unidos ocupam atualmente no cenário global. No passado, criticou a política migratória do presidente.

Também confrontou Trump em questões como o meio ambiente e o casamento homossexual. E já antes das eleições, em um discurso, denunciou também que as oportunidades que ele teve para alcançar o “sonho americano” estariam se esvaindo para a maioria das pessoas. “Não pode ser acessível só para os privilegiados que são brancos e vivem em um bom bairro”, lamentou.

Arquivado Em: