CASAMENTO REAL BRITÂNICO

Meghan Markle e Príncipe Harry: um casamento com tapete vermelho de Hollywood

A realeza britânica e o mundo do espetáculo dão as mãos na cerimônia de Harry e Meghan Markle, repleta de rostos famosos

George e Amal Clooney, ao chegarem ao casamento. LAUREN HURLEY (efe) / epv

Mais informações

Nunca um casamento real havia se parecido tanto com o tapete vermelho do Oscar. A união entre Harry e Meghan simboliza, além de sua aliança como casal, a fusão entre dois mundos: o da comedida realeza britânica – que se apoia em tradições e costumes centenários – e o de Hollywood. Isso ficou bem claro com os convidados que foram neste sábado à St. George's Chapel (Capela de São Jorge), onde atores, estilistas e estrelas do Instagram se misturaram com aristocratas e representantes de organizações beneficentes. Entre todos os A-listers que apareceram em Windsor – alguns eram esperados e outros geraram absoluta surpresa –, George e Amal Clooney foram os mais aplaudidos. O ator vestia um terno cinza, e a advogada, um vestido amarelo com chapéu e voilette de Stella McCartney. O estilista Miguel Pérez já havia anunciado dias antes que pentearia Amal Clooney no dia do casamento. Não está muito clara a relação entre ambos os casais; segundo uma fonte da revista People, as duas mulheres teriam se conhecido “através de amigos comuns, e sua relação se estreitou após a mudança da noiva ao Reino Unido”. Elas também têm em comum seu ativismo em diversas causas humanitárias.

O outro grande power couple convidado foi o formado por David e Victoria Beckham, embora tenha provavelmente escolhido um mau momento para aparecer – justo depois dos Clooney, o que eclipsou bastante sua chegada. A estilista exibia um vestido azul escuro – mesma cor que usou no casamento de William e Kate – e sapato de salto alto vermelho. Já o ex-jogador desta vez deixou em casa sua medalha da Ordem do Império Britânico; no casamento anterior, ele foi criticado por usá-la do lado errado do peito.

 A tenista Serena Williams já anunciava em seu Instagram Stories, no início da manhã, que estava se preparando para o casamento de “sua amiga”. “Minha amiga se casa hoje. Conheço-a há muito anos estou muito feliz por ela”, dizia. Chegou à St. George's Chapel por volta das 11h (7h em Brasília) vestida com um Versace e acompanhada do marido, o cofundador da Reddit Alexis Ohanian. Williams e Markle se conheceram em 2014, e a ex-atriz escreveu sobre ela em seu antigo blog The Tig.

Duas das celebridades mais madrugadoras foram Oprah Winfrey, vestida de Stella McCartney, e o ator Idris Elba. Comenta-se que a mãe de Meghan Markle, Doria Ragland, concederá uma entrevista a Oprah em breve.

Por decisão própria, Markle não teve a seu lado a maioria de sua família no dia da festa. Mas quem compareceu em peso para apoiá-la foram os membros de sua família de Suits, a série na qual ela interpretou advogada Rachel Zane durante sete temporadas. Entre eles, Gabriel Macht, Jacinda Barrett, Patrick J. Adams, Gina Torres, Rick Hoffman, Sarah Rafferty e Abigail Spencer.

Outros representantes do show business que marcaram presença no casamento real “de Hollywood” foram o ator Tom Hardy; a atriz Carey Mulligan (com vestido floral de Erdem) e seu marido, Marcus Mumford, líder da banda Mumford & Sons; o cantor Elton John – que havia cancelado dois shows de sua turnê mundial para poder estar presente – e seu marido, David Furnish; o músico James Blunt, que serviu no Exército com o príncipe Harry; e a cantora Joss Stone.

Tampouco faltou a atriz, produtora e cantora Priyanka Chopra, estrela de séries como Quantico, Miss Mundo 2000 e embaixadora da Boa Vontade do UNICEF (órgão da ONU para a infância), que apostou num vestido em tom lilás de Vivienne Westwood e um chapéu de Philip Treacy.

 Chopra é uma das melhores amigas da noiva. Em abril passado, escreveu assim sobre Markle na tradicional lista das 100 pessoas mais influentes da revista Time: “Este espírito livre, sempre sorridente, encontrou seu príncipe, se apaixonou e conseguiu que um mundo cínico voltasse a acreditar nos contos de fadas.”

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete