Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

A música que há 44 anos deu início à Revolução dos Cravos

Levante popular em Portugal começou quando a canção de José Afonso tocou no rádio

Revolução dos Cravos
Soldados e civis comemoram a vitória da insurreição militar que acabaria com a ditadura de Marcelo Caetano.

“Grândola, vila morena/Terra da fraternidade/O povo é que mais ordena/Dentro de ti, ó cidade”. Esses foram os versos que deram início à Revolução dos Cravos em Portugal, há 44 anos. Trata-se da canção Grândola, Vila Morena, de José Afonso, proibida pelo regime ditatorial de Antonio Oliveira Salazar, que dominava o país desde 1926. Na madrugada de 25 de abril de 1974, o povo português estava na expectativa, à espera de escutar os dois sinais pactuados pelo Movimento das Forças Armadas (MFA) para iniciar a sublevação contra o poder estabelecido.

Em primeiro lugar, soou às 22h55 de 24 de abril E Depois do Adeus, de Paulo de Carvalho, transmitida pelo jornalista João Paulo Diniz da Rádio Emissores Associados de Lisboa. Já no dia seguinte, à 0h25, a Rádio Renascença, emissora católica portuguesa, transmitiu a canção de Afonso. Esse era o segundo sinal, indicando que os rebelados deviam ocupar os pontos estratégicos do país. Nas horas seguintes, a ditadura desmoronou.

O artista português compôs essa canção em homenagem à Sociedade Musical Fraternidade Operária Grandolense da vila portuguesa de Grôndola. Em 17 de maio de 1964, Zeca Afonso fez nessa cidade um show muito importante para ele. Primeiro, porque conheceu o guitarrista Carlos Paredes. E também porque ficou impressionado com a consciência e a maturidade política dos membros da Sociedade Musical e com seus escassos – embora bem aproveitados – recursos.

A canção foi incluída no álbum Cantigas de Maio, gravado na França entre 11 de outubro e 4 de novembro de 1971. Foi a quinta faixa do disco, que teve arranjos e direção musical de José Mário Branco. Após o levante, a música se transformou em símbolo da revolução e da democracia em Portugal, ganhando várias versões. Ainda em 1974, a cantora de fados e atriz portuguesa Amália Rodrigues quis interpretar a dela. Anos mais tarde, a banda de rock brasileira 365 também a gravou com o título Vila Morena. Na Espanha, o Reincidentes, grupo de rock e punk de Sevilha que aborda sempre temas de crítica social, política e religiosa em suas canções, deu à composição de Afonso um toque heavy.

Uma das versões mais novas é a entoada pela cantora portuguesa Dulce Pontes em seu álbum Peregrinação. A maior representante do fado, que já se apresentou com Ennio Morricone, Giorgos Dalaras, Andrea Bocelli e José Carreras, consegue, com sua voz melancólica, uma das versões mais belas até o momento.

A canção continua vigente não apenas na música, mas também na política. Nos protestos de setembro de 2012 contra o plano de austeridade do Governo português de Pedro Passos Coelho, os manifestantes entoaram

Grândola, Vila Morena como hino da passeata. Meses depois, quando o primeiro-ministro Passos Coelho iniciava sua intervenção numa sessão de debate da Assembleia, foi interrompido por membros do movimento Que se Lixe a Troika. Situados nas galerias reservadas ao público, os manifestantes voltaram a cantar a música emblemática.

Pouco tempo depois, vários integrantes do movimento 15-M da Espanha também se manifestaram ao compasso de José Afonso. No último 18 de abril, deputados e senadores do Partido Democrata Europeu Catalão (PDeCAT) e da Esquerda Republicana da Catalunha (ERC) se despediram, ao som da canção, do presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, que pronunciou um discurso no Congresso ante ambas as Câmaras.

MAIS INFORMAÇÕES