Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

MTST ocupa triplex no Guarujá: “Se é do Lula, o povo pode ficar”

Por cerca de 3 horas, militantes pró-Lula ocuparam o polêmico apartamento que levou o ex-presidente à prisão

MTST ocupa triplex no Guarujá
Militantes pró-Lula do lado de fora do triplex no Guarujá
Guarujá (São Paulo)

"Sempre achei tranquilo dividir o andar com o triplex do Lula. Já tinha visto a PF entrar para documentar alguma coisa, presenciei manifestações lá na rua", afirma Mauricy Magario, morador do apartamento 162, vizinho de porta do famoso triplex no Guarujá, litoral de São Paulo. "Mas essa invasão de hoje é uma falta de respeito", afirmou. Por cerca de 3 horas (entre 8h15 e 11h50), o MTST e a Frente Povo Sem Medo ocuparam na manhã desta segunda-feira, 16 de abril, o triplex, imóvel que levou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a ser condenado a 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro

Segundo o juiz Sérgio Moro, Lula teria recebido o triplex como propina da construtora OAS, bem como reformas no imóvel, num valor total de 2,4 milhões de reais, que teriam vindo de uma conta corrente mantida pela construtora para o partido, alimentado por dinheiro desviado de contratos da Petrobras e revelados pela Operação Lava Jato. Lula nega as acusações. "É uma denúncia da farsa judicial que levou Lula à prisão. Se o triplex é dele, então o povo está autorizado a ficar lá. Se não é, precisam explicar porque ele está preso", disse Guilherme Boulos, coordenador do MTST e pré candidato a presidência pelo PSOL.

Cerca de 30 pessoas ocuparam o imóvel atribuído ao ex-presidente. Eles conseguiram entrar após pular um muro e quebrar a porta de entrada de banhistas. A ocupação, que aconteceu por volta de 8h15, assustou os moradores do edifício, que chamaram a polícia. Por medida de segurança, os moradores desligaram os elevadores e permaneceram dentro dos apartamentos, o que foi um transtorno para aqueles que precisavam ir trabalhar, informou a moradora Renata Simões. "A manifestação é o que menos nos incomoda, pois é comum. Nossa preocupação é a invasão ao condomínio", disse.

Manifestante identificado como Clayton conversa com chefe da segurança do edifício de dentro do triplex.
Manifestante identificado como Clayton conversa com chefe da segurança do edifício de dentro do triplex.

Magario, vizinho do triplex, estava tomando café da manhã quando ouviu um barulho forte. "Achei que era uma obra, mas quando abri a porta vi a outra arrombada, a bandeirola, e umas oito pessoas subindo pelas escada. Minha esposa, que está grávida, ficou desesperada, querendo sair de lá", contou.

Um dos seguranças do edifício tentou negociar com um dos ocupantes, que se identificou como Clayton. "Esta porta foi arrombada, esse apartamento está lacrado por ordem judicial, pois ele foi colocado para leilão, o que vocês estão fazendo é um crime, estão cientes?", perguntou o chefe da segurança. "Pois então a Justiça que entre com pedido de reintegração de posse", respondeu Clayton em áudio recebido pelo EL PAÍS Brasil.

Mauricy Nagario, morador do 162, vizinho de porta do triplex
Mauricy Nagario, morador do 162, vizinho de porta do triplex

Boulos afirmou em vídeo divulgado no Facebook que o objetivo da ocupação é contestar a condenação de Lula. "Se o triplex é dele [do Lula], ele já disse mais de uma vez que o povo poderia entrar lá e ocupar. Estamos autorizados pelo proprietário. Pela primeira vez o MTST faz uma ocupação consentida pelo proprietário. Se o triplex não é dele, o juiz Sérgio Moro vai ter que vir se explicar por que prenderam o Lula por um apartamento que não é dele", disse Boulos.

Vista interna do triplex já sem os manifestantes
Vista interna do triplex já sem os manifestantes

Os manifestantes saíram por volta das 11h50. "O MTST foi retirado do triplex, sob a alegação de flagrante; disseram que não precisavam de reintegração, e ameaçaram prender todos se não saíssemos no prazo, levando a uma intervenção do Choque. Totalmente arbitrário. Nenhuma novidade", informou o movimento por meio de nota.  Ninguém foi preso, mas a Polícia Federal foi chamada para fazer perícia no apartamento após o ocupação.

Os moradores foram à polícia denunciar os invasores e pedir segurança e proteção à privacidade. "Tivemos danos materiais pequenos, mas psicologicamente o estrago foi grande. Minha filha repetindo chorando que invadiriam a nossa casa, uma senhora com pressão alterada, uma grávida passando mal. Todos em pânico", afirmou Renata Simões.

PF chega para fazer perícia no triplex após a ocupação.
PF chega para fazer perícia no triplex após a ocupação.

Apesar da denúncia dos moradores de que os ocupantes arrombaram um portão e a porta do triplex para entrar, Boulos disse que a ocupação foi totalmente pacífica e que nada foi quebrado. A defesa do MTST e da Frente Brasil Sem Medo se dirigiu à delegacia para prestar esclarecimentos sobre o ocorrido. Segundo eles, não houve arrombamento. "Quando o grupo chegou, as portas estavam entre abertas. Foi bem tranquilo de entrar", disse o advogado Roberto Lemos. Quando questionado se o ato não era uma invasão de propriedade, a defesa negou. "O proprietário do 154 [triplex] é o proprietário da área comum do condomínio. Como a Justiça disse que esse apartamento é o do Lula e o Lula diz que se é dele é do MTST, tínhamos salvo conduto de usar a área do condomínio para entrar", afirmou.

MAIS INFORMAÇÕES