“Artista canibal” é preso na Venezuela

Polícia captura Luis Alfredo González por matar, devorar restos humanos e pintar uma tela com sangue

O "artista" antropófago
O "artista" antropófago
Mais informações
“Te amo para sempre, meu anjo”: a mensagem de uma jovem horas após assassinar o namorado
Matricídio em Raqqa, capital do Estado Islâmico
Homem mata os quatro filhos de sua mulher depois de 16 anos preso por assassinato

Luis Alfredo Hernández González foi preso na quinta-feira por ter assassinado e devorado parte dos restos mortais de um homem na cidade de Barlovento, no Estado de Miranda, localizada a duas horas de Caracas, na Venezuela. Os agentes do Corpo de Investigações Científicas Penais e Criminalísticas (CICPC) apelidaram o jovem assassino de “artista antropófago” porque usou o sangue e as cinzas do proprietário de uma fazenda, que estava desaparecido há dias, para pintar uma tela.

González – um moreno de cabelos desgrenhado e olhos esbugalhados – admitiu o crime nos interrogatórios policiais. Depois de confirmar ter desmembrado e comido grande parte do dono da fazenda, o assassino argumentou que a vítima o havia “contratado” para executar um estranho “serviço funerário”, que consistia em “matá-lo, comer parte dele e fazer pinturas sobre tela com seu sangue e cinzas”, explicou Douglas Rico, diretor do CICPC.

Na fazenda da vítima, na tórrida localidade de Barlovento, foram encontrados restos de ossos, documentos pertencentes a pessoas alheias à propriedade e outras pinturas. Rico informou que está sendo investigado se esses documentos coincidem com a identidade de cidadãos declarados desaparecidos na Venezuela. A polícia científica também fará exames de antropologia forense nas “obras de arte” encontradas no local. Não está descartado que seja um assassino em série.

A identidade do dono da fazenda assassinado ainda não foi revelada. Também não foi informado se o antropófago confessou ser autor de outros homicídios. A frieza do depoimento e o crime grotesco permitem supor que seja um delinquente com graves transtornos mentais.

A prisão do canibal evoca outra ocorrência no Estado fronteiriço de Táchira, em 1999. Trata-se de Dorangel Vargas Gómez, um mendigo perturbado que assassinou e comeu os restos de pelo menos 10 homens. Até sua aparência física é semelhante à de González. É uma história arrepiante que se repete 19 anos depois.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS