Seleccione Edição
Login
Presos em Freetown, a redenção impossível em Serra Leoa
17 fotos

Presos em Freetown, a redenção impossível em Serra Leoa

A cadeia tem capacidade para 300 pessoas, mas quase 2.000 homens vivem encarcerados e em condições desumanas; 60% estão infectados com tuberculose

  • Um preso de Pademba em frente à porta de um dos pátios, onde outros réus descansam sentados. Este é o principal cárcere de Freetown, um centro com capacidade para 300 pessoas onde quase 2.000 homens vivem amontoados e em condições subumanas. A tuberculose, a sarna ou os insetos dominam um local com só uma torneira, quantos banheiros, um hospital sem remédios e sete duchas. Cerca de 5% dos presos morre a cada ano.
    1Um preso de Pademba em frente à porta de um dos pátios, onde outros réus descansam sentados. Este é o principal cárcere de Freetown, um centro com capacidade para 300 pessoas onde quase 2.000 homens vivem amontoados e em condições subumanas. A tuberculose, a sarna ou os insetos dominam um local com só uma torneira, quantos banheiros, um hospital sem remédios e sete duchas. Cerca de 5% dos presos morre a cada ano.
  • Um prisioneiro do cárcere central de Freetown se escora nas grades de um pátio. "Estive na prisão por um ano e quatro meses. Então eu vivi na rua, sou uma criança de rua porque minha mãe me maltratava e meu tio, encarregado de cuidar de mim, morreu. Quando eu tinha 12 anos, roubei um celular e fui condenado a dois anos de prisão. Eles me mandaram para Pademba", diz Lamin Tejan Kann, um rapaz de 22 anos que não se esqueceu daqueles dias de medo e horror.
    2Um prisioneiro do cárcere central de Freetown se escora nas grades de um pátio. "Estive na prisão por um ano e quatro meses. Então eu vivi na rua, sou uma criança de rua porque minha mãe me maltratava e meu tio, encarregado de cuidar de mim, morreu. Quando eu tinha 12 anos, roubei um celular e fui condenado a dois anos de prisão. Eles me mandaram para Pademba", diz Lamin Tejan Kann, um rapaz de 22 anos que não se esqueceu daqueles dias de medo e horror.
  • “Não confie em ninguém ninguém. Nem sequer em você mesmo” é a mensagem que pode ser lida na entrada ao bloco três do presídio. Na prisão de Pademba, há menores condenados a anos de prisão por vagar sem rumo à noite (um crime tipificado pela legislação da Serra Leoa), em um país onde 5% da população - algo em torno de 300.000 - são crianças órfãs de acordo com o relatório Situação Mundial da Infância, do Unicef), por fumar maconha ou por roubar um telefone celular.
    3“Não confie em ninguém ninguém. Nem sequer em você mesmo” é a mensagem que pode ser lida na entrada ao bloco três do presídio. Na prisão de Pademba, há menores condenados a anos de prisão por vagar sem rumo à noite (um crime tipificado pela legislação da Serra Leoa), em um país onde 5% da população - algo em torno de 300.000 - são crianças órfãs de acordo com o relatório Situação Mundial da Infância, do Unicef), por fumar maconha ou por roubar um telefone celular.
  • Dois jovens mostram suas pernas em um dos blocos onde ficam os dormitórios. Muitos dos jovens detidos são movidos pela pobreza. De acordo com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, 60% da população de Serra Leoa vive abaixo da linha nacional de pobreza e 70% dos jovens estão desempregados. Eles permanecem presos com estupradores ou assassinos em uma selva de insetos, miséria e doenças, onde manda quem tem dinheiro para comprar mais comida, para subornar o policial de plantão e obter benefícios como camas de solteiro ou para pagar pelos favores sexuais de outros presos.
    4Dois jovens mostram suas pernas em um dos blocos onde ficam os dormitórios. Muitos dos jovens detidos são movidos pela pobreza. De acordo com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, 60% da população de Serra Leoa vive abaixo da linha nacional de pobreza e 70% dos jovens estão desempregados. Eles permanecem presos com estupradores ou assassinos em uma selva de insetos, miséria e doenças, onde manda quem tem dinheiro para comprar mais comida, para subornar o policial de plantão e obter benefícios como camas de solteiro ou para pagar pelos favores sexuais de outros presos.
  • Os presidiários se lavam em um dos pátios do presídio de Freetown. Quando o guarda que acompanha a reportagem se distancia, Alfred J., um detento magro de cerca de 25 anos de idade se aproxima. "Por favor, precisamos de sabão, mais água potável, remédios ... Olha", ele diz em uma voz cinzenta desesperada, abaixando as calças e revelando seus testículos, visivelmente doentes, de um tamanho enorme. "Estamos assim, todos nós temos alguma coisa... Precisamos de medicamentos, por favor", insiste.
    5Os presidiários se lavam em um dos pátios do presídio de Freetown. Quando o guarda que acompanha a reportagem se distancia, Alfred J., um detento magro de cerca de 25 anos de idade se aproxima. "Por favor, precisamos de sabão, mais água potável, remédios ... Olha", ele diz em uma voz cinzenta desesperada, abaixando as calças e revelando seus testículos, visivelmente doentes, de um tamanho enorme. "Estamos assim, todos nós temos alguma coisa... Precisamos de medicamentos, por favor", insiste.
  • Um jovem se lava com água para tratar uma infecção contraída dentro do presídio. Nos diferentes cômodos da prisão de Pademba, é comum os presos fumarem e compartilharem cigarros. Os dormitórios, além disso, quase não têm ventilação e, por segurança (ou pelo menos é por isso que os vigilantes impõem), as luzes nunca se apagam.
    6Um jovem se lava com água para tratar uma infecção contraída dentro do presídio. Nos diferentes cômodos da prisão de Pademba, é comum os presos fumarem e compartilharem cigarros. Os dormitórios, além disso, quase não têm ventilação e, por segurança (ou pelo menos é por isso que os vigilantes impõem), as luzes nunca se apagam.
  • Os presos esperam a vez para encher seu balde de água na única torneira de água potável habilitada pelos guardas. Os relatórios da ONG Don Bosco Fambul realizados nas unidades prisionais durante o desenvolvimento de alguns programas de assistência aos prisioneiros mostram que cerca de 60% deles estão infectados com tuberculose, 35% sofrem de problemas de visão e cerca de 5% morreram a cada ano entre 2013 e 2017, segundo as missões salesianas.
    7Os presos esperam a vez para encher seu balde de água na única torneira de água potável habilitada pelos guardas. Os relatórios da ONG Don Bosco Fambul realizados nas unidades prisionais durante o desenvolvimento de alguns programas de assistência aos prisioneiros mostram que cerca de 60% deles estão infectados com tuberculose, 35% sofrem de problemas de visão e cerca de 5% morreram a cada ano entre 2013 e 2017, segundo as missões salesianas.
  • As horas passam dentro da prisão e as ocupações dos presos estão limitadas a passear, participar de algumas oficinas ou, simplesmente, estar. Os dados sobre eles ainda indicam que hérnias, úlceras, sarna e doenças bucais, bem como as lesões causadas pela superlotação e a ausência de qualquer tipo de exercício físico são o pão diário dentro das paredes e barras da prisão. As Nações Unidas também afirmam que 2,2% dos prisioneiros em Serra Leoa são portadores do HIV.
    8As horas passam dentro da prisão e as ocupações dos presos estão limitadas a passear, participar de algumas oficinas ou, simplesmente, estar. Os dados sobre eles ainda indicam que hérnias, úlceras, sarna e doenças bucais, bem como as lesões causadas pela superlotação e a ausência de qualquer tipo de exercício físico são o pão diário dentro das paredes e barras da prisão. As Nações Unidas também afirmam que 2,2% dos prisioneiros em Serra Leoa são portadores do HIV.
  • Um dos presos mais veteranos, em frente à entrada a um dos pátios da prisão. Muito poucas das infecções dos detentos podem ser tratadas no centro hospitalar no interior da prisão, uma pequena sala mobilada com 20 camas protegidas por mosquiteiros de pano e com uma mesa localizada no extremo sul, perto de escadas estreitas que são acessíveis a partir de o pátio.
    9Um dos presos mais veteranos, em frente à entrada a um dos pátios da prisão. Muito poucas das infecções dos detentos podem ser tratadas no centro hospitalar no interior da prisão, uma pequena sala mobilada com 20 camas protegidas por mosquiteiros de pano e com uma mesa localizada no extremo sul, perto de escadas estreitas que são acessíveis a partir de o pátio.
  • Três guardas encarregados de revistar as pessoas que saem e entram na prisão, durante o dia de trabalho. Essa é a primeira sala que os visitantes adentram antes de ter acesso ao resto do presídio.
    10Três guardas encarregados de revistar as pessoas que saem e entram na prisão, durante o dia de trabalho. Essa é a primeira sala que os visitantes adentram antes de ter acesso ao resto do presídio.
  • Um vigilante observa as dependências do presídio de Pademba.
    11Um vigilante observa as dependências do presídio de Pademba.
  • Um preso corta o cabelo de outro com uma lâmina, utensílio proibido dentro dos muros penitenciários, o que faz da barbearia itinerante uma das atividades mais vigiadas.
    12Um preso corta o cabelo de outro com uma lâmina, utensílio proibido dentro dos muros penitenciários, o que faz da barbearia itinerante uma das atividades mais vigiadas.
  • Um raio de luz entra em um dos cômodos da prisão.
    13Um raio de luz entra em um dos cômodos da prisão.
  • Um guarda, no centro da imagem, prepara pães ao lado de um prisioneiro. A padaria é um lugar onde apenas alguns presos privilegiados podem trabalhar. O único cheiro agradável da prisão de seu forno de pedra. É muito quente, mas trabalhar lá é um luxo que muitos presos não podem acessar. A tarefa é supervisionada por um guarda que tira a camisa e começa a amassar a farinha quando vê a câmera. "Nós sempre nos colocamos ao lado dos prisioneiros, fazemos o mesmo que eles para incentivar a integração e fazer o trabalho mais rápido", diz ele energicamente. Ao seu lado, um grupo de cinco condenados acena, mas seus rostos parecem sérios e ninguém diz nada.
    14Um guarda, no centro da imagem, prepara pães ao lado de um prisioneiro. A padaria é um lugar onde apenas alguns presos privilegiados podem trabalhar. O único cheiro agradável da prisão de seu forno de pedra. É muito quente, mas trabalhar lá é um luxo que muitos presos não podem acessar. A tarefa é supervisionada por um guarda que tira a camisa e começa a amassar a farinha quando vê a câmera. "Nós sempre nos colocamos ao lado dos prisioneiros, fazemos o mesmo que eles para incentivar a integração e fazer o trabalho mais rápido", diz ele energicamente. Ao seu lado, um grupo de cinco condenados acena, mas seus rostos parecem sérios e ninguém diz nada.
  • O hospital de Pademba, que carece de remédios para as necessidades de todos os presos.
    15O hospital de Pademba, que carece de remédios para as necessidades de todos os presos.
  • Um jovem espera sua vez de ser atendido no centro hospitalar da prisão.
    16Um jovem espera sua vez de ser atendido no centro hospitalar da prisão.
  • Vários presos mostram um dos trabalhos realizados no cárcere enquanto tampam seus rostos por indicação de um guarda.
    17Vários presos mostram um dos trabalhos realizados no cárcere enquanto tampam seus rostos por indicação de um guarda.