Donald Trump

Trump estimula armar professores e deixa de lado aumento das restrições de idade

O plano da Casa Branca para prevenir massacres como o de Parkland evita tomar decisões executivas, limitando-se a uma série de recomendações

Donald Trump, em um discurso na Pensilvânia.
Donald Trump, em um discurso na Pensilvânia.Carolyn Kaster (AP)

Mais informações

As esperanças de um aumento do controle das armas nos Estados Unidos se desvanecem. O plano apresentado no domingo pela Casa Branca em resposta ao assassinato na escola de Parkland (17 mortos) insta os Estados a armar “pessoal qualificado nas escolas” e deixa de lado a proposta de elevar de 18 para 21 anos a idade de compra. O projeto, apesar de apoiar o endurecimento da verificação de antecedentes, não toma decisões executivas de vulto e se limita a uma série de recomendações.

Em Parkland morreram 17 pessoas; em Las Vegas, 58; em Orlando, 49; em Isla Vista, 6; em San Bernardino, 14; no Oregon, 10; em Washington, 13, em Newton 27... A cada banho de sangue, as mesmas vozes surgem pedindo maiores restrições e os mesmos interesses se opõem para detê-las. Não importa que os massacres aconteçam dentro ou fora das instalações educacionais. Os avanços nos últimos anos foram mínimos. A Associação Nacional do Rifle (NRA, na sigla em inglês), mas também uma ideologia generalizada que identifica armas com segurança, fizeram o papel de muro de contenção.

O último assalto a essa força ideológica foi feito, para surpresa de muitos republicanos, pelo próprio presidente Donald Trump. Há menos de duas semanas, depois de testemunhar a dor dos parentes das vítimas de Parkland, ele apostou em voz alta no aumento da idade de compra, na limitação do acesso de pessoas com problemas mentais e no endurecimento das verificações. Chegou a incentivar a enfrentar o grande lobby das armas. “Alguns dos senhores ficam petrificados pela NRA. Ela tem muito poder sobre os senhores, mas não têm muito sobre mim”, afirmou.

A ficção durou 10 dias. Na noite passada, a Casa Branca apresentou sua proposta de segurança escolar. Um pacote que não inclui mudanças substanciais na legislação e que se limita a recomendar, exortar e incentivar. É um manual cujo seguimento é livre no qual Trump coloca como prioridade o treinamento de “pessoal escolar qualificado” no manejo de armas e apoia a entrada de veteranos e policiais na esfera docente.

Juntamente com a medida, rejeitada completamente pelas grandes associações de professores, o presidente também encoraja as legislações estaduais e federais a endurecer a verificação de antecedentes. Ao mesmo tempo, cria uma comissão, presidida pela secretária de Educação, Betsy DeVos, que estudará o fenômeno da violência escolar. “Temos que prevenir e identificar os riscos. Não há tempo a perder, ninguém tem que sofrer o terror de Parkland ou Newton novamente”, disse DeVos.

Esse grupo de trabalho terá que estabelecer recomendações sobre a idade de compra de armas, o efeito da cobertura da mídia sobre os massacres e a melhoria dos tratamentos mentais. Temas fundamentais para os quais um calendário específico não foi apresentado. “A Casa Branca deu passinhos de bebê para não irritar a NRA, quando a epidemia de armas neste país requer passos de gigante”, disse Chuck Schumer, líder democrata no Senado.