Seleccione Edição
Login

Lava Jato prende presidente da Fecomércio-RJ por suposto desvio de dinheiro

Orlando Diniz é investigado por lavagem de dinheiro e pagamento de milhões em honorários advocatícios com recursos do Sistema "S"

Lava Jato prende presidente da Fecomércio-RJ por suposto desvio de dinheiro

A Polícia Federal deflagrou na manhã de sexta-feira (23) a Operação Jabuti e prendeu preventivamente Orlando Diniz, presidente afastado da Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ), por suspeita de desvio de dinheiro do Sesc e Senac-RJ, ambas entidades do chamado Sistema "S". A relação entre Diniz e o esquema de corrupção foi desvendada pela Operação Calicute com a ajuda do ex-governador do Rio Sérgio Cabral. Diniz foi afastado da gestão da entidade em dezembro do ano passado, por ordem do Superior Tribunal de Justiça (TRT).

O presidente foi preso na casa de seu pai, no Leblon, bairro da zona sul do Rio. Também são alvo de mandatos de prisão Marcelo Telles, diretor-geral do Senac-RJ e Sesc- RJ e Plínio José de Freitas, do Senac-RJ.

A Operação Jabuti tem como objetivo investigar o desvio de recursos da Fecomércio-RJ, além de lavagem de dinheiro e pagamento de cerca de R$ 180 milhões em honorários advocatícios com recursos da própria entidade. A operação é realizada em conjunto com o Ministério Público Federal, com apoio da Receita Federal.

Aproximadamente sessenta policiais federais cumprem um mandado de prisão preventiva, três mandados de prisão temporária e 10 mandados de busca e apreensão. "As investigações apontaram que pessoas ligadas à gestão da Fecomércio-RJ estariam envolvidas em operações irregulares incluindo o desvio de recursos, lavagem de dinheiro e pagamento, com recursos da entidade, de vultosos honorários a escritórios de advocacia, somando mais de R$180 milhões; nesse valor estão incluídos cerca de R$ 20 milhões que teriam sido pagos ao escritório pertencente à esposa de um ex-governador do Rio [Adriana Ancelmo] que se encontra recolhido ao sistema prisional à disposição da Justiça", informou a PF em comunicado. Durante do Governo de Cabral, o escritório de Adriana Ancelmo teria recebido R$ 35,8 milhões de dez empresas, sendo uma delas, a Fecomércio-RJ.

O nome da Operação faz alusão a funcionários-fantasmas, que entre os colaboradores da Fecomércio-RJ são conhecidos como “jabutis”. De acordo com a investigação, diversas pessoas receberam, por anos, salários da entidade embora nunca tenham trabalhado no órgão. "Algumas dessas pessoas, na verdade, trabalhavam para o ex-governador preso, e outras são familiares próximos de outros membros da organização criminosa", informou a PF.

MAIS INFORMAÇÕES