Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Temer reativa regras para fiscalizar trabalho escravo, mas falta de verba preocupa

Normas estavam suspensas pelo STF depois que Governo, sob críticas até da ONU, tentou afrouxá-las

É comum, segundo os procuradores do Trabalho, encontrar crianças nas instalações problemáticas.
É comum, segundo os procuradores do Trabalho, encontrar crianças nas instalações problemáticas.

O Governo brasileiro publicou nesta sexta-feira uma nova portaria que amplia a definição de condições degradantes de trabalho, depois das críticas recebidas dentro e fora do país contra uma norma que enfraquecia o combate ao chamado “trabalho escravo”. As novas disposições foram assinadas pelo ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, antes de apresentar sua renúncia na quarta-feira, alegando sua intenção de participar das eleições legislativas do ano que vem.

Em outubro, o ministério tinha emitido novas regras de combate ao trabalho equiparável às condições de escravidão, as quais restringiam sua definição à perda de liberdade de locomoção e dificultavam as inspeções em lugares suspeitos desse tipo de exploração humana, com frequência em atividades agrícolas. A ONU expressou sua “preocupação” com essas medidas e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) as denunciou como um “retrocesso”.

O Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu o texto oito dias depois de sua publicação no Diário Oficial da União, atendendo a um pedido de medida cautelar apresentado sob o argumento de que a portaria tornava inviável o combate ao trabalho escravo.

A norma publicada nesta sexta-feira restabelece os critérios vigentes até outubro, segundo os quais um trabalhador submetido a condições degradantes de trabalho, jornadas exaustivas, serviço de dívida ou trabalho forçado está em situação análoga à escravidão. Restabelece também os procedimentos de inspeção de empresas e de elaboração da chamada “lista suja” do trabalho escravo, que inclui os que incorrem nesse ato ilícito.

A portaria de outubro atendia a uma demanda da poderosa bancada ruralista do Congresso, vinculada ao agronegócio. Foi publicada pouco antes de a Câmara dos Deputados rejeitar pela segunda vez encaminhar à Corte Suprema uma denúncia de corrupção contra o presidente Michel Temer.\

Corte de verbas

Em 2017, setor apresentou queda no número de trabalhadores identificados nessas condições e libertados. Até setembro deste ano, o declínio acentuado as operações era atribuído a cortes no orçamento. Dos 3,2 milhões de reais previstos para as ações de fiscalização em 2017, apenas 1,6 milhão de reais foi de fato empregado, já que o Governo decidiu segurar os recursos por causa da crise nas contas públicas. A preocupação segue rondando o setor em 2018.

MAIS INFORMAÇÕES