Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Indulto para Fujimori

Peru experimenta outra grave turbulência com o decreto de anistia assinado por Kuczynski

Pedro Pablo Kuczynski discursa no Congresso, em Lima.
Pedro Pablo Kuczynski discursa no Congresso, em Lima.MARIANA BAZO (REUTERS)
Mais informações
Acusado de receber propina da Odebrecht, presidente do Peru pode ser alvo impeachment nesta quinta
Indulto de Kuczynski a Fujimori divide o Peru
Presidente do Peru: “Expor a corrupção afeta a economia mas é melhor engolir o sapo e limpar a casa de vez”

A complicada situação política que o Peru atravessa sofreu outra grave turbulência com o decreto de anistia assinado pelo atual presidente, Pedro Pablo Kuczynski, em favor do ex-presidente e ex-ditador Alberto Fujimori (1990-2000). O anistiado, de 79 anos, está na prisão há 12 depois que um tribunal o considerou culpado de crimes contra a humanidade.

A libertação de Fujimori, justificada por motivos humanitários, dividiu o país num momento em que sua estabilidade está afetada pelo escândalo da construtora brasileira Odebrecht, um gigantesco caso de corrupção cujas consequências, em diversas fases jurídicas e políticas, se estendem por todo o continente americano.

O próprio Kuczynski –devido às relações de uma de suas empresas com a Odebrecht, que ele afirmou não ter conhecimento– esteve prestes a ser destituído há alguns dias pelo Parlamento, controlado por Keiko Fujimori, filha do ex-presidente indultado e líder da Fuerza Popular, uma formação sem ideologia cuja única aspiração é restaurar o sistema clientelista que imperou no Peru desde a década de noventa. Foi precisamente a queda desse sistema e o retorno da democracia o que permitiu ao país recuperar a estabilidade e alcançar altos níveis de prosperidade econômica e segurança jurídica.

O fato de os ex-presidentes Alan García, Alejandro Toledo e Ollanta Humala estarem sendo acusados ou investigados por corrupção indica a necessidade urgente de regeneração para o futuro do país. Mas esse ar fresco jamais poderá vir de uma força como a de Keiko Fujimori, que tenta dinamitar sistematicamente as instituições para se apresentar como a única solução para o caos. Desde que Kuczynski assumiu a presidência, em julho, depois de ter sido eleito democraticamente, a Fuerza Popular usou sua maioria no Parlamento para tornar o Peru ingovernável e tentar destituir o chefe de Estado.

Nesse cenário, Kuczynski evitou a destituição graças a 10 votos fujimoristas que também representaram o inconcebível: uma divisão no populismo. O preço de evitar males maiores foi a libertação de um ex-presidente doente que a primeira coisa que fez foi pedir perdão. Kuczynski fez uma jogada arriscada e discutível. Ainda lhe resta a parte mais importante: superar a crise e governar.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS