Israel confirma sua saída da Unesco após revés na ONU sobre Jerusalém

Netanyahu segue os passos de Trump, que abandonou a organização há dois meses por seu “viés anti-israelense”

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, na reunião de Governo deste domingo em Jerusalém. 
O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, na reunião de Governo deste domingo em Jerusalém. Amir Cohen (AP)
Mais informações

Dois meses depois que os Estados Unidos abandonaram a Unesco por seu “viés anti-israelense”, o Estado judeu também confirmou sua retirada. No início da reunião semanal de Governo, Benjamin Netanyahu anunciou neste domingo que determinou a apresentação dessa solicitação antes do fim do ano. A decisão do primeiro-ministro foi anunciada depois que a Assembleia Geral da ONU aprovou uma resolução rejeitando a decisão da Casa Branca de reconhecer Jerusalém como capital de Israel. “É o mais apropriado diante da atitude tendenciosa, unilateral e absurda dessa organização em relação a nós, e no contexto da posição sólida mantida pelos EUA nas Nações Unidas”, afirmou Netanyahu para justificar a saída israelense da Organização da ONU para a Educação, Ciência e Cultura, um foro no qual Israel sofreu sucessivos reveses diplomáticos.

Não se trata de uma decisão precipitada. A declaração do centro histórico de Hebron, na Cisjordânia, como Patrimônio da Humanidade em perigo, feita pela Unesco em 7 de julho, já havia provocado a indignação do Governo mais conservador da história de Israel, sustentado por uma coalizão de partidos conservadores, ultrarreligiosos e da direita radical nacionalista.

Para a ONU, o perímetro monumental protegido se situa dentro do território da Palestina, Estado que é membro pleno da Unesco desde 2011. Na parte patrimonial da cidade fica a mesquita de Ibrahim (Abraão), que os judeus chamam de Túmulo dos Patriarcas por acolher as sepulturas de Abraão, Isaac e Jacó, de acordo com a tradição do Antigo Testamento, e consideram um de seus principais lugares sagrados.

Assim como o restante da Cisjordânia e de Jerusalém Oriental, Israel ocupa militarmente Hebron desde 1967, e suas tropas defendem cerca de 800 colonos judeus assentados no centro histórico, dividido com 35.000 palestinos. Na parte da cidade sob administração da Autoridade Palestina residem outras 200.000 pessoas.

A mesma disputa histórica e religiosa surgiu no organismo cultural da ONU em outras duas votações sobre a Esplanada das Mesquitas de Jerusalém, que os judeus chamam de Monte do Templo. Situado na parte oriental da Cidade Santa, que foi ocupada e posteriormente anexada por Israel, esse recinto sagrado tem a seus pés o Muro das Lamentações, principal lugar de culto do judaísmo.

“Contra a ocupação”

“O mundo não está contra nós, está contra a ocupação”, argumentava no jornal Yedioth Ahronoth Yariv Oppenheimer, diretor da ONG israelense Paz Agora. “A Unesco reconhece Israel, não que os territórios sejam parte do país. E não admite que o Túmulo dos Patriarcas se encontre em território israelense, de acordo com o estabelecido no direito internacional e com a própria lei israelense.”

Como a saída de um Estado membro da Unesco só pode ser efetivada no início da cada exercício anual e com pelo menos um ano de aviso prévio, Netanyahu teve de acelerar a aplicação da decisão, com o objetivo de encerrar no final de 2018, juntamente com os EUA, a presença de seu país nesse organismo.

A imprensa israelense afirma que o embaixador israelense Carmel Shama-Hacohen também vai propor que seu país possa se reservar o direito de continuar na organização se ocorrer uma mudança de atitude durante o próximo ano. “A Unesco [...] bateu recordes de hipocrisia, incitamento ao ódio e mentiras contra Israel e o povo judeu”, afirmou Shama-Hacohen, citado sábado pelo Yedioth Ahronoth, “contaminando seus nobres princípios básicos com politização e terrorismo diplomático, muitas vezes beirando o antissemitismo”.

A eleição, em novembro, da ex-ministra francesa da Cultura Audrey Azoulay como diretora-geral do organismo internacional, com sede em Paris, pode significar um ponto de virada para Israel. Judia de origem sefardita, Azoulay declarou pouco depois de sua designação que é importante que a Unesco “mantenha as portas abertas” para Israel e os EUA. “A história nos mostra que sair da mesa de conversação mundial pode levar a catástrofes”, advertiu.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: