Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Cirurgião admite num tribunal que colocou suas iniciais no fígado de dois pacientes

Médico se declarou culpado de agressão ao marcar os órgãos durante dois transplantes

Simon Bramhall, em uma imagem de arquivo.
Simon Bramhall, em uma imagem de arquivo. Cordon

Um cirurgião britânico reconheceu diante de um tribunal que colocou suas iniciais nos fígados de dois pacientes durante as operações de transplante. Simon Bramhall, de 53 anos, admitiu as acusações por agressão, embora tenha rejeitado outras duas acusações por lesões. Os fatos ocorreram em fevereiro e agosto de 2013, no Hospital Queen Elizabeth, em Birmingham (Reino Unido).

O cirurgião escreveu SB, suas iniciais, nos fígados de dois pacientes. Foi descoberto quando um colega, durante outra operação, encontrou as inscrições. Bramhall, que trabalhou durante 12 anos no Hospital Queen Elizabeth, foi suspenso em 2013. Pediu demissão em maio de 2014 depois de um processo disciplinar.

O médico se declarou culpado em duas acusações de agressão em um tribunal em Birmingham, que anunciará o veredicto em 12 de janeiro. No entanto, rejeitou as acusações de agressão com lesões a feridos pedidas pelo ministério público. O promotor Tony Badenoch disse que é um caso “sem precedentes legais”, conforme informou a imprensa britânica.

Bramhall gravou as iniciais com um laser de gás argônio coagulador, usado em operações para evitar hemorragias, e o fez na presença de colegas. As marcas não causaram danos aos pacientes e geralmente desaparecem sozinhas. Em um dos dois casos o órgão já estava danificado e, portanto, não evoluiu da maneira habitual depois da intervenção realizada por Bramhall. Outro cirurgião voltou a operar e então descobriu as marcas.

“Suas ações marcando os fígados desses pacientes, de maneira totalmente desnecessária, foram atos deliberados e conscientes”, declarou a promotora Elizabeth Reid. “Esses ataques foram um erro, não só do ponto de vista ético, mas também penal. Foi um abuso da confiança que seus pacientes haviam depositado nele”.

MAIS INFORMAÇÕES