EUA entram na investigação de corrupção ligada à escolha do Rio para a Olimpíada

A investigação é liderada pelo escritório do FBI em Nova York e a Promotoria no Brooklyn

Carlos Arthur Nuzman acompanhado por agentes federais nesta quinta.
Carlos Arthur Nuzman acompanhado por agentes federais nesta quinta.BRUNO KELLY (REUTERS)

Mais informações

As autoridades federais nos Estados Unidos entraram na investigação em curso no Brasil e na França que apura supostas ações corruptas ligadas à escolha do Rio de Janeiro como sede das Olimpíadas. Ela é centrada no pagamento de subornos feitos para comprar votos e na concessão de contratos. Carlos Arthur Nuzman, o antigo presidente do Comitê Olímpico brasileiro, chegou a ficar preso por 15 dias, há dois meses, acusado de ser peça-chave no esquema e agora aguarda em liberdade os desdobramentos do processo.

A investigação é liderada pelo escritório do FBI em Nova York e a Promotoria no Brooklin, de acordo com a informação divulgada pelo The Wall Street Journal. É a mesma jurisdição nos Estados Unidos que persegue crimes em escala transnacional, como no caso das propinas revelado contra a FIFA em 2015 e o que investigou a trama do doping em atletas olímpicos russos.

Um grande júri federal no Brooklyn trabalha desde o ano passado para reunir provas documentais e depoimentos ligados à investigação para poder montar uma causa penal. A parte dos contratos se centraria, de acordo com as fontes citadas pelo jornal de finanças nova-iorquino, na concessão de direitos de retransmissão do evento esportivo e de marketing.

Os investigadores franceses e brasileiros solicitaram a ajuda norte-americana há mais de um ano. Em passagem recente pela Europa, a procuradora brasileira à frente do caso, Fabiana Schneider, chegou a reclamar publicamente da falta de resposta americana: "As dificuldades para investigar são imensas.  Para que busquemos informações em cada país é necessário uma cooperação internacional que é difícil. Com os franceses foi mais fácil, mas dos Estados Unidos não recebemos resposta", disse Schneider. Agora a investigação pretende fazer com que o empresário brasileiro Arthur Soares, que está foragido na Flórida, deponha no Brooklyn e forneça toda a informação que tem sobre as comunicações que manteve relacionadas ao voto feito em 2009 em Copenhague.

Os promotores no Brasil e na França acusaram Soares de pagar subornos ao filho do representante senegalês do COI, a pedido de funcionários brasileiros. O Rio de Janeiro disputava a realização dos Jogos Olímpicos com Madri, Tóquio e Chicago. Os EUA não puderam responder em agosto o pedido de prisão e extradição do empresário brasileiro porque não receberam informação suficiente sobre as acusações.

Os EUA, como país garantidor das transações internacionais feitas em dólares e utilizando o sistema bancário norte-americano, têm a autoridade extraterritorial para iniciar ações penais desse tipo. Por esse motivo pede também dados sobre possíveis transferências de fundos, para seguir o rastro dos pagamentos ilícitos. O COI, através de um porta-voz, afirma não ter recebido pedido algum dos EUA.