Editoriais
i

Porto Rico à deriva

Já chegam a 150.000 os habitantes que deixaram uma ilha que não consegue se reerguer após furacão

Hmem que perdeu sua casa no furacão
Hmem que perdeu sua casa no furacãoALVIN BAEZ (REUTERS)

MAIS INFORMAÇÕES

A situação de Porto Rico continua dramática. A ilha não consegue se reerguer e, se a reação dos EUA foi morna no momento mais intenso da crise desencadeada pelo furacão María, agora que já passou algum tempo se pode dizer que os boricuas ficaram abandonados à própria sorte. A recente visita do ex-presidente Bill Clinton pode ser um bom sinal para reverter a situação. Mas o que está claro é que já chegam a 150.000 os porto-riquenhos que abandonaram a ilha e foram para a Flórida.

Ao passar pela ilha, em setembro, o furacão destruiu 57.000 moradias e deixou outras 254.000 bastante danificadas. Desde então, metade de seus 3,5 milhões de habitantes continua sem energia elétrica. Esse é um dos problemas-chave nesta delicada situação: sem eletricidade, é difícil promover a reconstrução das infraestruturas que o furacão levou embora − a falta de água potável continua sendo outro problema em algumas zonas. O governador Ricardo Rosselló afirmou que 95% do território teria eletricidade em dezembro. Não vai ser assim, e o Executivo mostra dessa forma sua impotência diante de uma situação que ele não consegue pôr nos eixos.

A atípica situação de Porto Rico como Estado associado do gigante norte-americano o torna, nestas circunstâncias, mais vulnerável. O presidente Donald Trump atribui a gravíssima crise econômica e financeira à má gestão de seus políticos, e seus gestos histriônicos diante da necessidade de ajuda − lançou rolos de toalhas de papel para as pessoas durante uma visita − só parecem confirmar o débil respaldo dado pelo Governo norte-americano.

A mudança climática está influindo na magnitude dos furacões que têm devastado diferentes lugares do Caribe, e o Governo norte-americano nem sempre esteve à altura da situação. É o caso de Porto Rico. É urgente que corrija o rumo antes que o problema se agrave.

Arquivado Em: