Madsen, dono de submarino, admite ter esquartejado jornalista sueca

Apesar da confissão, Peter Madsen, o inventor da embarcação, diz que não a matou

Kim Wall e Madsen no submarino
Kim Wall e Madsen no submarinoAFP

Mais informações

O inventor dinamarquês Peter Madsen admitiu ter esquartejado o corpo da jornalista sueca Kim Wall em seu submarino caseiro em agosto e ter lançado os pedaços ao mar, mas continua negando tê-la matado, segundo informou a polícia dinamarquesa em um comunicado nesta segunda-feira. Em sua terceira versão dos fatos, Madsen afirmou aos investigadores que a mulher morreu por envenenamento com monóxido de carbono dentro do submarino enquanto ele se encontrava na coberta.

O desaparecimento de Wall, de 30 anos, foi denunciado por seu namorado na madrugada de sexta-feira, 11 de agosto, horas depois de ela ter subido a bordo do UC3 Nautilus – um submarino de quase 18 metros de comprimento e 40 toneladas – para entrevistar o inventor. Madsen foi resgatado da água nesse mesmo dia depois de o submarino afundar. A investigação revelou que o afundamento foi provocado supostamente pelo próprio Madsen.

Depois de 10 dias de busca no mar Báltico, a polícia encontrou o torso de uma mulher sem pernas, braços nem cabeça. Os testes de DNA confirmaram que o torso é de Wall, que o corpo foi cortado de forma deliberada, que tinha um objeto de metal fixado nele e apresentava ferimentos para tentar extrair o ar e não vir à superfície.

Madsen, de 46 anos, declarou inicialmente que duas horas depois do início da viagem havia deixado a jornalista em uma ilha do porto de Copenhague e em seguida prosseguiu navegando até que o submarino sofreu problemas técnicos e afundou.

O inventor mudou mais tarde a declaração e admitiu perante um tribunal que “houve um acidente a bordo do submarino que provocou a morte de Kim Wall e que depois ele lançou o cadáver ao mar em um lugar não definido na baía de Køge (sudeste de Copenhague)", segundo a polícia dinamarquesa. De acordo com essa versão, uma pesada escotilha do submarino caiu sobre a cabeça dela, causando a morte. O tribunal de primeira instância determinou a prisão preventiva do acusado, por homicídio involuntário, ao qual se somou depois o delito de tratamento indecente do cadáver.

Madsen é uma figura conhecida na Dinamarca pelos projetos de submarinos e por ser o cofundador da empresa Copenhagen Suborbitals, criada em 2008 com o objetivo de colocar algum dia ao espaço naves para um só tripulante e que já lançou com sucesso vários foguetes experimentais sem pessoas a bordo.