Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Quartéis se abrem para a campanha eleitoral de Bolsonaro

Deputado federal é frequentador de eventos das Forças Armadas e das Polícias Militares

Os caminhos para a presidência da República no ano que vem passam, pelo menos para um dos pré-candidatos mais bem posicionados nas pesquisas, pelos quartéis das Forças Armadas do Brasil e das polícias militares. O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), capitão da reserva desde 1988, é figura frequente em formaturas e outros eventos da caserna. Defensor declarado e saudoso da ditadura militar brasileira e da tortura, o parlamentar tem feito uso deste palanque verde-oliva para divulgar sua candidatura em 2018 com um discurso voltado para a segurança pública em alinhamento com teses como “bandido bom é bandido morto” e a pregação pela ampliação ao direito ao porte de arma. Apenas este ano o parlamentar participou de ao menos 11 eventos dentro de instituições militares, segundo a reportagem apurou – a assessoria de imprensa de Bolsonaro não quis fornecer os dados de sua agenda oficial.

Bolsonaro na Fortaleza de São João, no Rio.
Bolsonaro na Fortaleza de São João, no Rio.

De acordo com a última pesquisa do instituto Datafolha, divulgada no final de setembro, o deputado conta com a preferência de 16% a 17% do eleitorado, empatado em segundo lugar com Marina Silva (Rede), e atrás apenas do ex-presidente petista Luiz Inácio Lula da Silva. A construção de seu nome nacional tem se dado com base no uso intensivo das redes sociais e também nas viagens pelo país, algumas delas ligadas a eventos militares.

A penetração do deputado nas Forças Armadas passa até mesmo pela Escola Preparatória de Cadetes do Exército, em Campinas, São Paulo, e pela Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende, Rio de Janeiro, duas das mais conceituadas da corporação. Ele frequentou as duas instituições, tendo se formado na segunda em 1977. Durante visita recente ao local, o deputado foi recepcionado aos gritos de “líder!” pelos aspirantes a oficiais. Em rápido discurso, Bolsonaro aproveitou para fazer campanha: “Parabéns para vocês. Nós temos que mudar este Brasil ok? Alguns vão morrer pelo caminho, mas estou disposto a, em 2018, seja o que Deus quiser, tentar jogar este Brasil para a direita. O nosso compromisso é dar a vida pela pátria, e vai ser assim até morrer”. Em outra visita ao local, desta vez para a formatura de uma turma de oficiais que receberiam seus espadins (espécie de diploma da instituição), Bolsonaro é saudado com continências e ocupa um lugar especial na tribuna, ao lado de comandantes da instituição e militares de alta patente.

Questionada pela reportagem, a assessoria de imprensa do Exército afirmou que “qualquer autoridade civil, de qualquer dos poderes da República (...) tem livre acesso às unidades militares, para visitação ou para solenidades das mais diversas”. De acordo com a nota, “no caso específico do deputado Bolsonaro, o mais provável é que por já haver servido enquanto militar da ativa em unidades paraquedistas permanece o vínculo afetivo e pessoal com as brevetações (cerimônias de formatura)”. Com relação à propaganda política feita pelo deputado no evento, o Exército afirmou que “não cabe à Instituição julgar atitudes ou manifestações políticas de parlamentares”.

Indagada se outros possíveis pré-candidatos à presidência também são convidados ou visitaram as instalações do Exército, a assessoria afirmou que “não mantém dados quantitativos das visitas de autoridades ou pessoas públicas”, mas que “é possível” que outros tenham visitado quartéis.

Desde a redemocratização um pré-candidato à presidência não buscava laços tão intensos com a caserna. Para o professor de história da UFRJ Carlos Fico, “é natural, tendo em vista que Bolsonaro é militar da reserva e político, que ele busque suas bases eleitorais dentro de quartéis”. Ele destaca ainda que em um contexto como o brasileiro, de desilusão com a democracia, crise econômica e política, “cresce entre civis e militares um viés autoritário, uma crença na perspectiva de um governo forte, capaz de dar soluções rápidas mesmo que seja fora do esquema democrático”. Nesse cenário, ele argumenta, Bolsonaro tenderia a se fortalecer. “Apesar de ser visto por muitas parcelas da população inclusive dentro dos quartéis, como um pouco folclórico, o deputado conquistou parcela importante do eleitorado. E a declaração do Mourão [que defendeu intervenção militar no país] de certa forma legitima a candidatura do Bolsonaro”. Em setembro de 2017, o general Antônio Hamilton Mourão defendeu a intervenção militar no Brasil. O comandante do Exército brasileiro, general Eduardo Villas Bôas, descartou punição e o ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que o problema seria resolvido "internamente". Bolsonaro tentou capitalizar com a declaração, afirmando apoiar Mourão e mandando um abraço para ele nas redes sociais.

No dia 2 de junho Bolsonaro esteve no Centro de Instrução Almirante Alexandrino, no Rio de Janeiro, uma das principais academias da Marinha do Brasil. Lá o deputado acompanhou a formatura de 1.448 cadetes, que ao final da cerimônia, saudaram o capitão da reserva com o já tradicional grito de “mito!” e “presidente!”. Bolsonaro ainda posou para dezenas de fotos com os militares e seus familiares. Por fim, Bolsonaro também é frequentador de eventos da Força Aérea, como, por exemplo, a formatura de 500 novos terceiros-sargentos da Escola de Especialistas da Aeronáutica, em Guaratinguetá, São Paulo, no final de 2016.

Em nota, o Comando da Aeronáutica afirmou que “coordena constantemente visitas institucionais de autoridades políticas locais ou nacionais em unidades militares”, e que “no evento citado, o deputado federal Jair Bolsonaro e outras autoridades presentes foram convidados pelos próprios militares formandos”. Ainda segundo o texto, “os regulamentos militares proíbem a realização de propaganda político-partidária em unidades da FAB”, e que “o Comando desconhece quaisquer atos dessa natureza durante visitas oficiais de parlamentares às suas unidades”. Já a Marinha informou em nota que "o deputado Jair Bolsonaro participou da visita institucional realizada no Centro de Instrução e Adestramento de Brasília a convite da Assessoria de Relações Institucionais da Marinha”. 

O deputado acompanhou a formatura de 1.448 cadetes, que ao final da cerimônia, saudaram o capitão da reserva com o já tradicional grito de “mito!” e “presidente!”

Polícias militares

Mas o apoio à candidatura de Bolsonaro para a presidência extrapola os quartéis das Forças Armadas. Mesmo sendo parlamentar eleito pelo Rio de Janeiro, o capitão da reserva também frequenta eventos da PM paulista. Em 31 de março ele estava na formatura de 992 sargentos da instituição realizado no sambódromo. Das arquibancadas lotadas ecoavam os gritos "Bolsonaro, guerreiro, orgulho brasileiro" e "um, dois, três, quatro, cinco, mil, queremos Bolsonaro presidente do Brasil".

Em nota a PM paulista afirmou que “regularmente recebe visitas de autoridades de diferentes esferas em suas unidades e eventos públicos”, e que “os convites podem ser realizados pelo comando da corporação ou pelos próprios formandos, no caso de cerimônias de formaturas de soldados e oficiais”. No caso do evento mencionado pela reportagem, o convite foi feito pelo comando. Além de Bolsonaro, apenas mais um possível candidato à presidência em 2018 foi convidado: o prefeito de São Paulo, João Doria, paraninfo da turma de formandos.

O tenente-coronel Ricardo Augusto Nascimento de Mello Araújo, novo comandante da Rota, a controversa tropa de elite da Polícia Militar de São Paulo, já declarou voto no deputado em entrevista ao portal UOL: “O deputado Jair Bolsonaro, eu votaria nele. Eu não sou político e não gosto de falar de política, mas entendo que o país precisa de pessoas honestas no comando”. Em nota, a PM-SP afirmou que “as opiniões do comandante da Rota, elas foram emitidas em caráter pessoal, dentro da legalidade e não representam a corporação”.

As andanças do deputado pelos eventos de policiais militares também se estendeu até Minas Gerais. Em janeiro deste ano ele participou da formatura de mais de mil soldados da PM-MG, no ginásio do Mineirinho, em Belo Horizonte. Após a cerimônia, ele concedeu entrevista a uma repórter da corporação e disse que se vê “como uma opção para 2018”. Bolsonaro aproveitou para divulgar mais uma de suas pautas com grande apelo entre militares: "Meu sonho é no Legislativo conseguirmos aprovar um excludente de ilicitude para o policial em operação. Você responde, mas não tem punição, para dar retaguarda para vocês”. Na prática, a medida é considerada uma carta branca para possíveis irregularidades cometidas pelos agentes. A reportagem não localizou nos arquivos da Câmara dos Deputados nenhum projeto do tipo voltado para policiais. Por fim, Bolsonaro ainda repetiu um de seus rituais favoritos ao lado de policiais, que são as flexões de braço. Procurada, a PM-MG não se manifestou sobre o assunto.

Em agosto deste ano nova polêmica: alunos do colégio militar Waldocke Fricke de Lyra, controlado pela PM do Amazonas em Manaus, gravaram um vídeo convidando Bolsonaro para visitar a instituição e prestigiar a turma de formandos de 2017. “Marcho em direção ao sucesso, tenho audácia o suficiente para convidar o Bolsonaro”, repetem no ginásio da escola dezenas de crianças e adolescentes uniformizados e alinhados em nove filas, seguindo as palavras de ordem de um dos oficiais responsáveis. “Convidamos Bolsonaro, salvação dessa nação!”, continuam os jovens.

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil do Amazonas, Marco Aurélio de Lima Choy, repudiou as imagens. “Repudiamos qualquer forma de ingerência sobre a liberdade de expressão, seja para homenagear ou deixar de homenagear alguém. Esse vídeo é lamentável. Não se coloca palavras na boca de adolescentes sobre decisões de outros, ainda mais sendo uma homenagem”, afirmou ao jornal O Globo. Em nota divulgada à época a assessoria de imprensa da PM-AM informou que “o colégio é subordinado à administração do Comando Geral da Instituição, (...) que determinou a abertura de um procedimento administrativo, que será apurado por meio da Diretoria de Justiça e Disciplina da Polícia Militar".

Ao ser convidado a discursar no Encontro de Policiais e Bombeiros Militares do Brasil, realizado em Goiânia, Bolsonaro questionou: “Estou preparado? Atenderia ao que a pátria necessita? Não sei. Se aparecer alguém melhor preparado eu estou pronto para somar apoio”. Mas ele aproveitou também para alfinetar o prefeito de São Paulo, dizendo que “jamais podemos pensar em alguém para ocupar aquela cadeira presidencial que seja apenas um gestor”. Por fim, o deputado se despediu da plateia, afirmando não ter "obsessão pelo poder". "Entendo, se assim acontecer, que seja uma missão de Deus. A cruz é mais do que pesada. Mas ele não nos da nada que não podemos carregar. Juntos podemos sonhar com um Brasil melhor. E peço a Deus que não tenha sangue nesse caminho, por intolerância do outro lado".

MAIS INFORMAÇÕES