_
_
_
_

Temer tem nova vitória na CCJ e fica perto de salvação no Supremo

Presidente e ministros ganham sobrevida contra ação penal. Votação ainda será confirmada na Câmara

Michel Temer durante evento no Palácio do Planalto na terça-feira, dia 17 de outubro
Michel Temer durante evento no Palácio do Planalto na terça-feira, dia 17 de outubroEVARISTO SA (AFP)
Mais informações
Rodrigo Janot apresenta segunda denúncia contra Temer
Senado salva mandato de Aécio Neves, acusado de corrupção no caso JBS
Lava Jato vira atalho para chantagens e proteção de Temer e do Congresso, apontam especialistas
Câmara vota segunda denúncia contra Temer

O presidente Michel Temer (PMDB) se salvou mais uma vez em votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados. Por 39 a 26, a CCJ, dominada por aliados do presidente, avaliou que não são graves o suficiente as acusações de que Temer atuou para obstruir as investigações da Operação Lava Jato e de que ele lidera uma organização criminosa com outros nomes do PMDB. Apesar da vitória do Planalto nesta quarta-feira, 18 de outubro, a decisão ainda precisa ser confirmada pelo plenário da Câmara, onde também é esperada uma vitória do presidente, que tem intensificado os trabalhos para manter os votos dos deputados, com agenda intensa e distribuição de emendas.

Não é a primeira vez que os deputados salvam o presidente da denúncia de corrupção feita pela Procuradoria-Geral da República. A primeira denúncia contra Temer foi arquivada pela Câmara. O ex-procurador Rodrigo Janot, porém, apresentou uma nova denúncia pouco antes de deixar o cargo, no qual, baseado na investigação da Polícia Federal, acusa o peemedebista de liderar um esquema de recebimento de propina do qual participavam vários ex-deputados peemedebistas. Os valores movimentados chegaram aos 587 milhões de reais. O presidente, no entanto, negou as acusações.

Nesta segunda denúncia contra Temer – a primeira foi arquivada –, o relator foi o deputado Bonifácio de Andrada (PSDB), que fez relatório favorável ao arquivamento da denúncia. Opositores afirmaram que o relatório favorável de Andrada fez parte de um acerto para também salvar o senador Aécio Neves (PSDB) em votação no Senado na terça-feira, que rejeitou medida do Supremo Tribunal Federal e permitiu que Aécio reassuma funções parlamentares.

Veja como foi a sessão da CCJ da Câmara:

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_