Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

DNA revela os segredos dos antigos habitantes da Ilha de Páscoa

Não há restos genéticos do contato entre os rapanuis e os nativos americanos antes da chegada dos europeus

Ainda há mistérios a serem elucidados sobre os construtores dos moais da Ilha de Páscoa.
Ainda há mistérios a serem elucidados sobre os construtores dos moais da Ilha de Páscoa.

Os rapanuis, que povoaram a Ilha de Páscoa, não tiveram nenhum contato com os nativos americanos até a chegada dos europeus. Ou, se tiveram, isso não deixou rastro em seus genes. É o que afirma um estudo que analisou DNA antigo dos habitantes da ilha. Esses resultados questionam pesquisas anteriores que defendem que houve contato e que pode ter ocorrido vários séculos antes.

A história dos rapanuis como povo estava cheia de mistérios que a ciência vem revelando nas últimas décadas. A arqueologia estimou que chegaram à Ilha de Páscoa por volta do ano 1200 da nossa era. A genética demonstrou mais tarde que a teoria sobre sua origem polinésia estava certa. Mas esses navegadores que vieram do oeste se aventuraram ainda mais longe, até a América? Os ameríndios chegaram à costa da ilha? Ou nunca houve contato entre os rapanuis e os nativos americanos antes de os europeus começarem a visitar a ilha, a partir de 1722? E se nunca houve, como entre 6% e 8% de seus genes são de origem americana?

Pela primeira vez, um grupo de pesquisadores conseguiu estudar o DNA antigo de cinco rapanuis encontrados no sítio arqueológico de Anakena, no norte da ilha. Os cientistas conseguiram isolar o material genético de pequenos cortes de apenas 200 miligramas feitos nas costelas dos restos. Três deles foram datados como muito anteriores ao ano de 1722, em torno do século XIV-XV, e os outros dois pertenciam a indivíduos nascidos no século XIX ou no início do XX. Ou seja, tinham dados genéticos anteriores e posteriores à chegada dos ocidentais.

O rapanuis atuais têm cerca de 8% do genoma originário dos americanos nativos

“Não encontramos evidênciaa de um fluxo de genes entre os habitantes da Ilha de Páscoa e os da América do Sul”, diz em um comunicado o antropólogo da Universidade da Califórnia em Santa Clara e principal autor do estudo, Lars Fehren-Schmitz. “Estamos realmente surpresos de não termos encontrado nada. Existem muitas pistas que apontam para essa possibilidade, tantas que estávamos convencidos de que encontraríamos evidências do contato anterior aos europeus com a América do Sul, mas não havia nada”, acrescenta.

Entre as pistas que sugeriam o contato estão os estudos náuticos sobre a viabilidade de navegar até a ilha a partir da costa americana com a tecnologia do passado, uma viagem de mais de 3.500 quilômetros. Também o enorme trabalho do antropólogo norueguês Thor Heyerdahl, que, empenhado em demonstrar que os polinésios realmente vieram da América, fez a mítica travessia do Kon-Tiki em meados do século passado. Alguns antropólogos sustentam que a cultura rapanui, criadora dos majestosos moais, tem mais a ver com os povos pré-colombianos do que com as outras ilhas polinésias. A evidência arqueológica mais forte é a presença de batata-doce em várias ilhas polinésias há quase 1.000 anos. Mas a pista mais conclusiva é que várias pesquisas recentes revelaram a presença de genes ancestrais americanos nos rapanuis atuais.

No entanto, este novo estudo, publicado na Current Biology, não encontra vestígios (uma porcentagem inferior a 1%) de genes ameríndios nos três rapanuis anteriores à chegada dos europeus. No entanto, eles encontraram tais genes nos dois posteriores e em porcentagens em torno de 6%, de acordo com trabalhos anteriores. Embora a possibilidade de contato cultural não possa ser descartada, “não deixou rastros genéticos”, diz Fehren-Schmitz.

A principal evidência arqueológica de contato é a presença de batata-doce na Polinésia há 1.000 anos

O mexicano José Víctor Moreno Mayar é um dos que defendem que houve contato e miscigenação entre os dois povos antes da chegada dos europeus. Pesquisador de paleogenética do Museu de História Natural da Dinamarca, Moreno realizou um estudo há três anos cujos resultados o trabalho de Fehren-Schmitz agora questiona. A pesquisa de Moreno, publicada na mesma revista, analisou o genoma de 27 rapanuis atuais, encontrando 8% de genes americanos. Aplicando um modelo estatístico, concluíram que esses genes não entraram no povo rapanui com os europeus, mas muito antes: entre 1280 e 1495. A data mais baixa é apenas algumas décadas posterior à chegada dos polinésios à ilha.

“O trabalho de Fehren-Schmitz é uma pesquisa de grande valor, são os primeiros dados de DNA antigo dos rapanuis que são obtidos”, reconhece Moreno. No entanto, ele questiona a principal conclusão do trabalho, que considera “exagerada e precipitada”. A fragilidade reside, de acordo com o especialista mexicano, na proximidade temporal entre a data do possível contato e a datação dos restos analisados. “Se você tem um contato entre duas populações hoje e faz uma amostragem de indivíduos dessa população mista, você terá alguns indivíduos com a mistura genética e outros sem, uma vez que a miscigenação não é imediata. Com três amostras, é apressado descartar que houve um contato pré-colombiano entre nativos americanos e polinésios. A controvérsia será resolvida quando encontrarmos mais DNA antigo dos rapanuis”, conclui o pesquisador mexicano.

MAIS INFORMAÇÕES