Game of Thrones
Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

Onde foi parar o sexo em ‘Game of Thrones’?

Desde o início, a série deixou claro que prazer equivalia a poder, como ocorre desde que o mundo é mundo

Emilia Clarke, Daenerys em 'Game of Thrones'.
Emilia Clarke, Daenerys em 'Game of Thrones'.
Mais informações
HBO transmite por engano o sexto episódio de ‘Game of Thrones’
Kit Harington: “Jon Snow se transformou em um político nesta temporada”
Por que precisamos de ‘Game of Thrones’

A sétima temporada de Game of Thrones trouxe, como em ocasiões anteriores, batalhas que deixam o espectador grudado na poltrona, tramas, surpresas, personagens muito malvados, emoção… mas pouquíssimo sexo, ao contrário do que ocorria nas temporadas anteriores. Desde seu início, esta série, já considerada fundamental na história da televisão, deixou claro que sexo equivalia a prazer e poder, como ocorre nos reino desde que o mundo é mundo. O sexo foi perdição para reis, desculpa para disputas territoriais, origem de vinganças e, logicamente, o meio para perpetuar a estirpe.

Também foi assim em Game of Thrones, onde vimos o incesto entre os irmãos Lannister, seu outro irmão, Tyrion, pulando de prostíbulo em prostíbulo, Daenerys Targaryen sendo repetidamente estuprada por seu marido de conveniência, Khal Drogo; nus variados e gozo de prazer. Entretanto, os capítulos da sétima temporada se caracterizaram por uma quase abstinência sexual, e nesse aspecto às vezes parece até pacata. Se duas mulheres vão se beijar, uma batalha naval interrompe a ação; se começa um pouco de sexo oral, passamos rapidamente a outra cena; se os irmãos vão juntos para a cama, então já os vemos na manhã seguinte; alguma bunda bonita, e pouco além disso.

Não que a gente queira, como recriminava um padre do colégio, “uma televisão com fornicação desenfreada”, mas me choca que uma série que salpica o espectador com o sangue das batalhas, com cenas de um sadismo à Tarantino, em que o morto vomita suas vísceras ensanguentadas, e que se mostra escatológica sem pudor, excrementos incluídos, tenha se tornada tão reservada quanto ao sexo. Não se pode mostrar um púbis ou um pênis, mas não há problemas em esfaquear o ventre de uma grávida. Talvez seja a idiossincrasia de uma parte do cinema norte-americano, feito para a violência e recatado com o sexo. É verdade que os personagens estão muito entretidos em conquistar reinos, importunar os inimigos ou salvar a própria pele, mas onde fica o sexo para a mãe dos dragões, Jon Snow, Tyrion, Jorah Mormont, O Cão de Caça, Arya, Sansa...? Será que só os maus podem desfrutá-lo?

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS