Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Migração de animais mostra um planeta sem fronteiras

Um projeto internacional registra os movimentos de centenas de espécies pelo mundo

Vídeo mostra o movimento migratório dos animais

Quando o astronauta espanhol Pedro Duque subiu ao espaço em 1998, afirmou que estar distante da Terra é “a melhor forma de se dar conta de que não tem importância de que país cada um é”. Dali ele não via fronteiras. E também não se veem na última animação publicada pelo Movebank, um projeto para investigar o maior número possível de migrações animais pelo planeta.

O vídeo é espetacular. Mostra, ao longo de um ano, milhares de rotas de animais marcados que percorreram pelo menos 500 quilômetros de distância em uma única direção. Seus itinerários, destacados em linhas cor-de-rosa, se acumulam em lugares de passagem de aves, como os estreitos de Gibraltar, entre a Europa e a África, e do Bósforo, entre Ásia e Europa.

O Movebank é uma base de dados de livre acesso coordenada pelo Instituto Max Planck de Ornitologia, em Radolfzell, Alemanha. Inclui informações fornecidas desde 2007 por cerca de 3.000 cientistas e organizações de preservação de todo o mundo. No total, contém cerca de 400 milhões de localizações pontuais de animais marcados com transmissores GPS e outros dispositivos.

“A grande migração de animais desde a Europa central até a África, que começa a ser vista no minuto 00:57 do vídeo, são cegonhas brancas”, afirma o engenheiro Matthias Berger, autor da visualização dos dados. Na animação aparecem 5.500 indivíduos, pertencentes a 150 espécies, segundo detalha.

O acompanhamento dos animais permite estudar os efeitos da destruição de seu hábitat, da mudança climática, da invasão de espécies exóticas e da disseminação de doenças infecciosas, segundo os responsáveis pelo projeto encabeçados por Martin Wikelski, diretor do Instituto Max Planck de Ornitologia, e sua colega Sarah Davidson. Seus resultados foram fundamentais para identificar futuras áreas protegidas.

Conhecer os deslocamentos dos animais é essencial para identificar futuras áreas protegidas

O Movebank inclui, por exemplo, dados das migrações das zebras do delta do Okavango até os salares de Makgadikgadi, em Botsuana. Entre 1968 e 2004, este movimento foi impedido por uma vala quilométrica construída para isolar o gado dos predadores selvagens.

Na Espanha, o Movebank conta por exemplo com dados dos movimentos da cegonha branca, fornecidos pela Fundación Migres; da água imperial ibérica, oferecidos pela Estação Biológica de Doñana; e do abutre negro, compartilhados pelo Grupo de Reabilitação da Fauna Autóctone e seu Hábitat (GREFA).

MAIS INFORMAÇÕES