Seleccione Edição
Login

Sexo entre espécies esclarece a origem dos grandes felinos

Cientistas brasileiros sequenciam pela primeira vez o genoma da onça e reconstroem a árvore evolutiva de leões, leopardos, tigres e leopardos das neves

O estudo sequenciou o genoma da onça pela primeira vez.
O estudo sequenciou o genoma da onça pela primeira vez.

Nós, humanos, somos como somos graças, em parte, ao fato de nossos ancestrais terem transado com outras espécies. Desde que o Homo sapiens saiu da África, não perdeu a oportunidade de fazer sexo e filhos com os neandertais, os denisovanos e outros hominídeos que ainda estão para ser identificados. Alguns desses cruzamentos deixaram tesouros evolutivos que nos ajudaram a sobreviver, como os genes que tornam mais forte nosso sistema imune transmitido a nós pelos neandertais ou a capacidade de viver no Himalaia graças aos genes de adaptação à altura que os denisovanos transmitiram a alguns humanos modernos.

Até agora esse processo de mestiçagem era considerado uma raridade, mas na verdade os humanos também não são especiais nisso. Um estudo genético dos grandes felinos acaba de revelar que também esses mamíferos cruzaram entre si e transmitiram genes que os ajudaram a tornar-se os melhores caçadores de seus respectivos habitats.

A história evolutiva do grupo panthera —tigres, leões, leopardos, onças e leopardos das neves— é pouco conhecida. Os estudos feitos até agora não conseguiam esclarecer a árvore genealógica desta família e como foi possível surgir espécies tão diferentes em períodos de tempo tão curtos em termos evolutivos, assim como explica uma equipe de cientistas de vários países em um estudo recém-publicado na revista Sciences Advances. O trabalho assume a importância de outro publicado em 2013, que analisou o genoma de tigres, leões e leopardos das neves. Agora, uma equipe liderada por Eduardo Eizirik, pesquisador da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) sequenciou pela primeira vez o genoma da onça e analisou o de um leopardo para comparar as cinco espécies e completar a foto de família.

Estes mamíferos cruzaram uns com os outros e passaram genes que lhes ajudaram a se converter nos melhores caçadores de seus respectivos habitats

O trabalho mostra que o ancestral comum de todos os grandes felinos viveu há 4,5 milhões de anos e que os últimos a se separarem, leões e leopardos, o fizeram há cerca de 2,5 milhões de anos. O estudo estabelece vários genes responsáveis pelas características mais visíveis de cada felino, como a capacidade de viver em grandes alturas do leopardo das neves, o grande desenvolvimento do crânio e as mandíbulas que fazem com que a onça seja o membro com a mordida mais forte de todo o grupo e os genes que possivelmente são responsáveis pelo fato do tigre ter listras em sua pelagem.

O trabalho também revela uma intrincada história de cruzamentos entre as cinco espécies. Os ancestrais dos leões se cruzaram com os dos leopardos das neves, os dos tigres com os leões e os destes com a onça. O tipo de análise genética realizado não permite saber quando ocorreram esses cruzamentos, mas, segundo Eirizik, “são mais recentes do que as datas em que as espécies se separaram”.

O pesquisador destaca que é um dos primeiros exemplos de “hibridação” em grandes mamíferos e afirma que uma pequena parte da riqueza genética que os grandes felinos têm, essencial para evitar a extinção, se deve a esses cruzamentos entre espécies. Assim como no caso dos humanos, esse tipo de cruzamento entre espécies aparentemente diferentes também ocorreu entre bonobos e chimpanzés.

Entre os 19.000 genes da onça, os pesquisadores apontam dois, DOCK3 e COL4A5, que provavelmente passaram de uma espécie para outra como um importante presente em termos evolutivos para a onça, pois parecem estar relacionados com o desenvolvimento do nervo óptico, o que teria garantido melhor visão para o maior dos felinos da América herdado graças ao cruzamento com outras espécies.

O trabalho aponta que o antepassado comum de todos os grandes felinos viveu há 4,5 milhões de anos

“São resultados surpreendentes”, ressalta Toni Gabaldón, pesquisador do Centro de Regulación Genómica, de Barcelona, e coautor do estudo. “O mesmo que vemos em humanos vemos nos felinos, o que demonstra que esses casos não são tão raros”, ressalta Gabaldón.

Quatro das cinco espécies analisadas estão em perigo de extinção e algumas começam a notar os efeitos da pouca diversidade genética, como o tigre asiático. “Este estudo obriga a refletir sobre a perda da biodiversidade já que mostra que a extinção de espécies tem impacto maior do que pensávamos, porque não só desaparece a espécie, mas também a possibilidade de que suas adaptações evolutivas passem para outra espécie e a ajudem a sobreviver”, ressalta Gabaldón.

“É um trabalho muito interessante e as hibridações se assemelham ao encontrado já em homininos, ursos e proboscídeos”, reconhece o geneticista Carles Lalueza-Fox, que não participou da pesquisa. “Fica evidente que as espécies são definições arbitrárias; convenientes para paleontólogos, taxonomistas e conservacionistas, mas em boa medida arbitrárias”, acrescenta.

MAIS INFORMAÇÕES