Geologia

As duas Américas se uniram milhões de anos antes do que se acreditava

'Science' fala de achado nos Andes que pode mudar o que se sabe da história do planeta

As obras de ampliação do canal do Panamá permitiram analisar estratos com minerais que foram rastreados até chegar aos Ande colombianos.
As obras de ampliação do canal do Panamá permitiram analisar estratos com minerais que foram rastreados até chegar aos Ande colombianos.DAVID FARRIS

As duas Américas se transformaram em uma muito antes do que se acreditava. A união pelo que hoje é o Panamá aconteceu há cerca de 13 milhões de anos e não 3,5 milhões, como acreditava a comunidade científica. Uma pesquisa de geólogos colombianos datou as rochas encontradas nos Andes nessa data e eles afirmam que só podem proceder do istmo que, portanto, já teria emergido. Se esse atraso for confirmado, os livros de ciência terão de reescrever o que se sabe sobre a primeira glaciação da era atual ou a grande migração de espécies que ocorreu entre as duas Américas.

A teoria mais aceita sobre a data na qual os continentes americanos se uniram sustenta que um processo iniciado há cerca de 20 milhões de anos se completou há 3,5 milhões. O jogo entre a placa do Caribe, a Sul-americana e a Norte-americana foi salpicando o mar que separava as duas Américas de um mosaico de ilhas. A partida culminou com a emersão de uma faixa de terra que separou para sempre as águas do Pacífico das do Atlântico.

MAIS INFORMAÇÕES

A união americana explica muitas coisas que ocorreram desde então. Como testemunha o registro fóssil, é desde essa data que aconteceu o chamado Grande Intercâmbio Americano: muitas espécies de vertebrados migraram de um continente para outro. Várias pesquisas mostram, além disso, que a partir de então as espécies e sedimentos marinhos dos atuais Pacífico e Caribe começam a se diferenciar. Há quem, inclusive, afirme que a atual era de glaciações se inicia com a separação dos mares. A emersão do istmo teria intensificado a circulação oceânica no Atlântico e o Pacífico que, em um complexo processo, fez com que os gelos se expandissem ou retraíssem do hemisfério norte de forma periódica. A última dessas retrações permitiu a expansão do homem moderno.

O mineral zircônio encontrado nos Andes colombianos tem uma relação de urânio e chumbo similar à das amostras obtidas no Panamá

“É uma hipótese muito elegante, mas, se o fechamento ocorreu muito antes, deveria ser revisada”, disse o professor da Universidade dos Andes (Colômbia), Camilo Montes. O paleogeógrafo, ao lado de pesquisadores de outras universidades colombianas, encontrou provas que lhes permitem antecipar o fechamento para 10 milhões de anos antes, na era geológica conhecida como Mioceno Médio. “Sabemos que haverá muita discussão e que vão bater de todos os lados”, reconhece Montes que, no entanto, acredita na força de sua descoberta.

Esses geólogos colombianos aproveitaram as obras de ampliação do Canal do Panamá para procurar nos estratos mais antigos uma pedra, o zircônio. Este mineral metálico tem duas particularidades. De um lado, é muito resistente à meteorização, portanto sua erosão é muito lenta. Além disso, se apresenta com pequenas quantidades de urânio. O processo de decaimento do urânio (de um isótopo radiativo para outro) até se transformar em um estável de chumbo é conhecido e é uma das bases da geocronologia.

No vale do Cauca (Colômbia) se encontraram sedimentos procedentes do arco do Panamá (ao fundo) com 15 milhões de anos de idade.
No vale do Cauca (Colômbia) se encontraram sedimentos procedentes do arco do Panamá (ao fundo) com 15 milhões de anos de idade.Carlos Armando Rosero

Como é mostrado na revista Science, a partir do canal foram indo cada vez mais para o sul, realizando perfurações e amostragens até chegar ao flanco ocidental da Cordilheira Central colombiana, onde acabam os Andes. Foram encontradas amostras de zircônio que não poderiam ser originárias dessa região e “em camadas de cerca de 15 milhões de anos e não nas de 3,5 milhões de anos”, comenta Montes. “O mais provável, quase certo, é que venham do Panamá”, acrescenta.

Na verdade, depois de submeter as diferentes amostras à desintegração por laser e sua análise por um espectrômetro de massas, a relação de isótopos de urânio e chumbo entre as obtidas no Panamá e as colombianas conclui que o zircônio de ambas tem a mesma origem. Para os pesquisadores, esse mineral chegou até a Colômbia arrastado por antigos rios em um longo processo de erosão. E, claro, para que haja um rio antes deve haver uma terra sobre a qual ele corra e essa terra não pode ser outra que não o istmo do Panamá.

A grande migração animal

Se essa antecipação de pelo menos 10 milhões de anos na união das duas Américas for confirmada, a nova data questiona muito do que a ciência dava por certo até agora. A hipótese elegante dos 3,5 milhões de anos e sua conexão com a grande migração de espécies entre os dois continentes se enfraquece. É o que acontece também com sua relação com a mudança climática que trouxe as glaciações com o fechamento do istmo. Se aconteceu muito antes, por que os animais esperaram milhões de anos para atravessar o Panamá?

“A resposta é muito simples, o fechamento do canal marítimo não desempenhou nenhum papel na mudança climática”, afirma o professor de geologia da Universidade do Colorado em Boulder (EUA), Peter Molnar. Ainda que tenha havido espécies de vertebrados como camelídeos, parentes dos caititus ou grandes felinos que foram do norte ao sul e antecessores do bicho-preguiça e até plantas que imigraram para o norte antes dos 3,5 milhões de anos, a grande migração aconteceu depois dessa data.

O intercâmbio de espécies de 3,5 milhões de anos atrás estaria relacionado com uma glaciação e não com a união dos dois continentes

Para Molnar, a união das duas Américas foi um requisito necessário, mas não suficiente. Na realidade, pode ter sido o frio da glaciação que teve início naquele tempo o que produziu a dispersão. “O Grande Intercâmbio Americano é totalmente consequência da mudança climática. Durante as idades do gelo, os trópicos esfriam e secam. Os animais que atravessavam viviam em savanas. Eles deviam cruzar o que é hoje o Panamá. Cruzaram porque o clima tinha mudado a vegetação e a barreira climática mudaram por completo”, explica. E o ciclo de glaciações do Quaternário (período atual) coincide com a explosão de registros fósseis, não com o fechamento do canal marítimo.

De uma tacada, Montes e seus colegas desmontam três das bases da história geológica. No entanto, os defensores da teoria original se mostram bastante céticos com essas conclusões. Um dos guardiões da data dos 3,5 milhões de anos é o norte-americano Anthony Coates, pesquisador do Instituto Smithsonian de Pesquisa Tropical. Coates dedicou boa parte de sua vida a pesquisar a união entre os continentes americanos e não se convenceu dos argumentos de Montes.

“Inclusive mesmo que o zircônio tenha se transferido como eles dizem, e há sérias dúvidas sobre a história de que proceda de um proto-Panamá, trata-se de uma região relativamente pequena da Colômbia e isso não descarta que as demais centenas de quilômetros do istmo tiveram vias marinhas como acontece no arco indonésio atual, que nós acreditamos ser uma boa comparação com a América Central de cerca de 10 ou 15 milhões de anos”, diz Coates por e-mail. Ou seja, sem negar que pudesse haver desde então alguma conexão, seria mais na forma de arquipélago do que de uma grande faixa de terra.

Montes replica que as amostras do ocidente colombiano que foram analisadas procedem de várias regiões do arco panamenho: “A única forma de explicar isso é ter um rio principal que conectasse boa parte do istmo”.

MAIS INFORMAÇÕES

Arquivado Em: