Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

EUA suavizam exigências ambientais para obras no muro com o México

Governo adota medida para acelerar a melhoria das infra-estruturas na região de San Diego

Simulação de uma das propostas de muro entre EUA e México apresentadas pela construtora Fort Worth.
Simulação de uma das propostas de muro entre EUA e México apresentadas pela construtora Fort Worth. AP

O Governo de Donald Trump suspenderá algumas normas e exigências ambientais na região de San Diego a fim de acelerar a construção de novas barreiras e estradas na fronteira com o México. A medida, autorizada pelo Congresso norte-americano, foi adotada em várias ocasiões entre 2005 e 2008 em assuntos de imigração, segundo informou na terça-feira o Departamento de Segurança Nacional.

A isenção abrange alguns projetos de infraestrutura em uma das zonas fronteiriças mais movimentadas nos EUA. Só no ano passado, as autoridades interceptaram 31.000 estrangeiros irregulares e apreenderam 9.000 libras de maconha e mais de 1.300 de cocaína na região de San Diego. A área onde se concentram esses projetos e esforços se estende por aproximadamente 24 quilômetros desde o Pacífico até depois do Border Monument 251. Essas obras fazem parte do polêmico projeto de muro com o México.

Os EUA deram os primeiros passos para erguer o muro, cuja construção deve começar em março ou abril de 2018. As empresas selecionadas para o projeto deverão apresentar seus primeiros protótipos em novembro, dois meses depois do previsto. As autoridades esperam entre quatro e oito protótipos que serão instalados na região de Tijuana a fim de avaliar qual sistema é mais eficiente para frear a imigração irregular.

Já existem 1.000 quilômetros de cerca levantados na fronteira entre os EUA e o México como consequência de uma lei de 2006. Uma das promessas bombásticas de Trump em sua campanha foi estender a barreira pelos 3.100 quilômetros de fronteira.

A região de San Diego, de acordo com o departamento de Segurança, “continua tendo muitas entradas ilegais e há uma necessidade urgente de melhorar as infraestruturas e construir novas barreiras e estradas”. O Departamento de Segurança Nacional ressaltou que, apesar da dispensa do cumprimento de algumas normativas, trabalhará em coordenação com as diversas agências federais para garantir a preservação ambiental durante as obras.

MAIS INFORMAÇÕES