Do PT ao PSOL, esquerda do Brasil poupa Maduro de críticas e apoia Constituinte

Apesar da escalada da violência em Caracas, partidos defendem que nova Carta é "via democrática" Manifesto de intelectuais de esquerda inclui brasileiros e critica "cegueira ideológica" de apoiadores

Maduro faz discurso pela Constituinte nesta quinta em Caracas.
Maduro faz discurso pela Constituinte nesta quinta em Caracas.CARLOS GARCIA RAWLINS (REUTERS)
Mais informações

Enquanto a Venezuela vive uma escalada das tensões sociais que já ultrapassa 100 dias, parte consistente da esquerda brasileira poupa o presidente Nicolás Maduro das críticas e apoia a controversa eleição para integrantes de Assembleia Nacional Constituinte, convocada para este domingo. Representantes e lideranças de diferentes partidos ouvidos por EL PAÍS e um especialista em relações internacionais apresentaram se alinham ao Governo chavista. Os que aceitaram falar com a reportagem – alguns preferiram se omitir sobre o tema – defendem o bolivarianismo, evitam criticar Maduro e acham pertinente a convocação da Constituinte agora, como uma tentativa de se restabelecer a ordem. 

Em meio à convulsão social, o presidente Nicolás Maduro convocou, no dia 1 de maio, a Assembleia Nacional Constituinte que vai eleger 545 deputados neste domingo. Segundo Maduro, este projeto representa a última possibilidade para “o diálogo profundo” na sociedade e a paz no país. Mas a oposição denuncia que o real propósito desta convocação é estabelecer um novo marco normativo que permita ao regime desfazer-se dos poderes públicos que hoje o incomodam, como a Assembleia Nacional e a Promotoria, adiar eleições e dar um passo decisivo para um Estado autoritário, aprovando uma nova Constituição aos moldes do Governo.

Embora defendam a convocação das eleições como uma “via democrática” para a remediação da crise, nenhuma das figuras ouvidas pela reportagem se aprofundou nas opiniões sobre a Constituinte em si. “Não me debrucei sobre o tema da Constituinte ainda, mas acho que temos que defender a solução pela via democrática daqueles conflitos”, disse o deputado e dirigente do PT Paulo Teixeira.

A posição de algumas lideranças sobre o país vizinho expõe o quanto a situação em Caracas é delicada. O deputado do PCdoB Orlando Silva, também preferiu não entrar no mérito da Constituinte. “É uma situação delicada a que a Venezuela vive hoje”, disse. “A Constituinte é uma opção que o país fez e não nos cabe tratar do mérito; temos que respeitar o país vizinho”. No final de semana passado, durante a 23ª edição do Foro de São Paulo, realizado na Nicarágua, partidos da esquerda brasileira como PT e o PCdoB assinaram um manifesto defendendo a Constituinte. A presidenta do PT, senadora Gleisi Hoffmann afirmou, em seu discurso, que espera que a eleição de domingo "possa contribuir para uma consolidação cada vez maior da Revolução Bolivariana e que as divergências políticas se resolvam de forma pacífica". Na última quarta-feira, a oposição realizou uma greve geral no país e desde que os protestos começaram, em abril mais de 90 pessoas morreram nas ruas. 

O PSOL, embora não seja signatário do Foro de São Paulo, defende posição parecida. “Apoiamos [a Constituinte] e esperamos que a solução passe pela decisão do povo”, disse o presidente do partido, Luiz Araújo. “A direita tem tentado impedir o exercício de Maduro e a saída do presidente foi devolver ao povo o direito constitucional de decidir para onde o país deve seguir”, afirma. Já Gilberto Maringoni, professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC, diz ter dúvidas se a Constituinte seria, de fato, o gargalo da crise daquele país, mas ainda assim ele defende a convocação. “É a saída que o Governo tem para não perder mais legitimidade”, diz. “Temos um avanço da direita na Venezuela como tem ocorrido com o Brasil e por isso acho que a esquerda tem que apoiar Maduro agora”.

De acordo com o professor, desde o impeachment de Dilma Rousseff, no ano passado, a esquerda brasileira está em crise. Por isso, o apoio a Maduro não é “uniforme”. “Há grupos que não apoiam Maduro”, diz. De fato, no final de maio, um grupo de cerca de 250 intelectuais e ativistas políticos definidos como de esquerda assinaram um manifesto criticando Nicolás Maduro. “Não acreditamos, como certos setores da esquerda latino-americana, que devemos defender acriticamente o que é apresentado como um ‘governo anti-imperialista e popular”, diz o texto. “O apoio incondicional oferecido por certos ativistas e intelectuais não apenas revela cegueira ideológica mas é prejudicial pois, lamentavelmente, contribuiu para a consolidação de um regime autoritário”. Dentre os brasileiros que assinam o texto estão Chico Whitaker, ex-vereador pelo PT e um dos principais nomes do Fórum Social Mundial, o antropólogo Otávio Velho e Bruno Bimbi, tesoureiro do PSOL no Rio de Janeiro.

Para Juliano Medeiros, presidente da Fundação Lauto Campos, do PSOL, as críticas até existem, mas o apoio ao bolivarianismo deve prevalecer. “A revolução bolivariana não compreende somente o Governo da Venezuela”, diz. “É claro que não vemos esse processo de forma acrítica, há erros e excessos que foram cometidos, mas, até agora, não foram suficientes para que viremos as costas à revolução”, diz. Como exemplo dos “equívocos”, Medeiros menciona a manobra do Governo de suspender, por meio do Supremo, todos os poderes do Parlamento, classificada como golpe de Estado pela oposição venezuelana. “O Governo reconheceu [que era um equívoco] e recuou”, diz Medeiros.

A legitimidade de Maduro

No Brasil, depois de sofrer o que classifica como golpe  – o impeachment de Dilma Rousseff – a esquerda tem utilizado muito o argumento de que Maduro, diferentemente de Michel Temer, foi eleito democraticamente. “Gostando-se ou não de Maduro, ele tem legitimidade, foi eleito em urna, o que não é o caso de quem hoje governa o Brasil”, disse Gleisi Hoffmann, senadora e presidenta do PT, durante a abertura do Foro de São Paulo. O professor Maringoni segue esta mesma linha. “A Venezuela não tem uma ditadura, há um governo eleito", diz. "Existe um conflito interno com repressão violenta, mas a luta política está lá, não há censura à imprensa, por exemplo”.

Um dia após o professor conversar com EL PAÍS, o presidente Nicolás Maduro anunciou a proibição das “manifestações públicas” que possam “perturbar” a eleição de domingo, sob pena de cinco a 10 anos de prisão. Para o presidente do PDT, Carlos Roberto Lupi, a determinação de Maduro é um “abuso”. “É como tirar o sofá da sala, né?”, diz, recorrendo à metáfora do marido que chega em casa e encontra a mulher o traindo com o vizinho no sofá e, no dia seguinte, tira o sofá da sala. Apesar da crítica, Lupi afirma que agora é o melhor momento para se fazer as eleições, já que “a situação na Venezuela descambou, não só do lado do Governo, como da oposição também”. Já Paulo Teixeira, do PT, condena a ação de Maduro, mas com cautela. “Todo processo democrático prevê o respeito às manifestações populares”, diz. “Acho que é fundamental que se garanta a participação de todos os lados. Num conflito acirrado, a observância às regras democráticas e aos direitos humanos são questões fundamentais".

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: