Estreia do Carrefour na bolsa sugere retomada de confiança na economia brasileira

Pode ser o ano mais intenso quanto à estreias na Bolsa desde 2013

Carrinhos do Carrefour em São Paulo
Carrinhos do Carrefour em São Paulo REUTERS
Mais informações
PIB brasileiro apresenta primeiro resultado positivo após dois anos
Clima de convulsão política deve prolongar recessão econômica
Novo presidente do BNDES: “O Brasil está mais para psicanálise do que para análise econômica”

A divisão brasileira do Carrefour captou 5,1 bilhões de reais na maior IPO do país em quatro anos. O aumento desse tipo de operação sugere uma crescente confiança na maior economia da América Latina. Mas o ritmo de recuperação é suave, e colocar preços razoáveis é crucial.

O preço das ações se situou no extremo inferior da faixa sugerida e o montante arrecadado foi um pouco menor que os 6,4 bilhões de reais que o Carrefour desejava. Os investidores podem ter pensado que não vale a pena cotizar com um grande prêmio em relação ao seu rival, o GPA. A farmacêutica colombiana Biotoscana, por sua vez, deve fixar hoje um preço para sua IPO de certificados de depósito brasileiros. É a semana mais intensa quanto a IPOs no Brasil desde fevereiro, e pode ser o ano mais movimentado desde 2013.

A economia está se recuperando lentamente depois de dois anos de profunda recessão. Prevê-se que o PIB cresça em torno de 0,3% este ano depois de ter se contraído rapidamente em 2015 e 2016. O índice Bovespa de São Paulo subiu quase 9% este ano, e quase 75% desde seu mínimo de 2016. À medida que o crescimento volta e a confiança das empresas se recupera, poderia haver entre 15 e 20 outras IPOs de empresas locais em 2017, segundo a operadora da bolsa do país, a B3.

A companhia aérea Azul, a empresa de diagnóstico médico Hermes Pardini e a de aluguel de carros Movida entraram este ano na Bolsa. Planejam fazer o mesmo a Tivit, provedora de TI; a IRB Brasil, a maior resseguradora do país; a NotreDame Intermédica; e a Omega Geração, de energia renovável. É um voto de confiança por parte das empresas e investidores que o Brasil não via há anos.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS