37 anos e um quarto secreto: assim um dos fugitivos mais procurados enganou o FBI

Corpo do mafioso Donald Eugene Webb foi encontrado na semana passada enterrado no jardim de sua casa

Donald Eugene Webb
Donald Eugene Webb

Depois de quase 40 anos de buscas e perseguição, Donald Eugene Webb foi enfim localizado. Já era tarde. O mafioso, acusado de assassinar um policial em 1980, estava enterrado em seu jardim, depois de ter-se refugiado em um quarto secreto de sua casa durante 19 anos até sua morte, em 1999.

Mais informações

O FBI localizou o corpo na sexta-feira, dias depois de descobrir um habitáculo escondido em sua casa nos arredores de Boston (Massachusetts). Dentro de um armário havia uma porta e, ao abri-la, um pequeno espaço onde as autoridades encontraram uma bengala. Ali se escondeu Webb, um dos dez fugitivos mais procurados, durante 37 anos. Sua mulher e cúmplice, Lillian Webb, continua morando na casa.

Em dezembro de 1980, Webb, um ladrão de joias com vínculos com as máfias da costa leste dos Estados Unidos, matou o chefe de polícia de Saxonburg, um pequeno município da Pensilvânia, depois de um confronto. Webb ficou ferido na perna e as amostras de sangue descobertas em seu carro duas semanas depois coincidiam com as suas. O caso provocou grande expectativa na época. O FBI o buscou durante meses, sem sucesso, e a recompensa para encontrá-lo chegou a alcançar 100.000 dólares (316.000 reais).

Pôster do FBI pedindo pistas para encontrar Webb
Pôster do FBI pedindo pistas para encontrar Webb

Nada se soube do fugitivo até que o FBI seguiu novas pistas, relacionadas a outro delito, para voltar a revistar a casa dos Webb. Segundo uma investigação jornalística, o quarto secreto foi construído ilegalmente e não era parte da estrutura original da casa. O criminoso se refugiou nele até a morte por causas naturais, aos 60 anos.

A mulher do policial morto, Mary Ann Jones, apresentou uma denúncia por conspiração contra a mulher de Webb. Para ela, é evidente que os familiares do assassino de seu marido deveriam ser levados perante a Justiça por terem-no escondido durante décadas. Mas as autoridades fizeram um pacto com a mulher do fugitivo, de 82 anos, concedendo-lhe imunidade em troca de colaboração.

“Ajudou um homem procurado por assassinar e conspirou com ele. Sem dúvida, enterrou o corpo em seu jardim. É incrível”, afirmou Jones em uma entrevista a The Boston Globe. A única satisfação para a viúva deverá ser a que expressou o atual chefe de polícia do município onde seu marido morreu: “A maior pergunta na história de Saxonburg foi respondida. Embora a dor continue, pelo menos a dúvida do que ocorreu foi eliminada”.