Negócios

Lava Jato faz Havaianas trocar de donos pela segunda vez em menos de dois anos

Após delação, marca controlada pela JBS é vendida por 3,5 bilhões de reais a grupo Itaú e Moreira Salles

Anúncio da Havaianas
Anúncio da Havaianas

Mais informações

Os famosos chinelos brasileiros que dão a volta ao mundo passaram para as mãos de um novo grupo de negócios. A J&F, dona do frigorífico JBS, anunciou a venda do controle das Alpargatas  – empresa que fabrica os populares chinelos havaianas  – para o grupo formado pela Itaúsa (holding de investimento do banco privado brasileiro Itaú) e a Cambuhy/Brasil Warrant (braços de investimento da bilionária família Moreira Salles). Os donos da JBS não chegaram a ficar dois anos com o controle das Alpargatas. Eles adquiriram a dona da Havaianas em novembro de 2015, por 2,7 bilhões de reais após uma oferta relâmpago. Na época, a Alpargatas era controlada pelo grupo Camargo Correa, que também estava envolvido na Operação Lava Jato.

Agora, o negócio foi fechado em 3,5 bilhões de reais (cerca de 1,091 bilhões de dólares). A transação ainda depende de um sinal verde final do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Segundo comunicado das Alpargatas, os compradores declararam que o objetivo da operação é a diversificação do portfólio dos investimentos.

A venda acontece em meio ao escândalo de corrupção envolvendo a delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista, principais acionistas da JF, e à intensa crise que se abateu sobre as empresas do grupo com as delações que estremeceram o Brasil. Os sócios se viram obrigados a colocar à venda diferentes negócios para acertar pendências com o mercado. Isso também aconteceu na época da venda da marca pela Camargo Correa, que estava precisando levantar recursos para quitar dívidas e multas provenientes de um acordo de leniência. A aquisição da Alpargatas pela J&F na época foi possível graças a um empréstimo da Caixa Federal (banco público brasileiro) que, segundo depoimento feito à PF por um delator, teria sido liberado graças à propinas.

A venda das Alpargatas, nesta quinta-feira, é a primeira concluída pela J&F após as delações. A JBS chegou a anunciar, no mês passado, que passava seus ativos na Argentina, Paraguai e Uruguai para a rival Minerva, mas a transação foi suspensa pela Justiça. Os irmãos Batista confessaram às autoridades o pagamento de propina durante anos a centenas de políticos, entre ele o presidente Michel Temer. O grupo fechou um acordo de leniência com o Ministério Público brasileiro, no âmbito da Operação Lava Jato, que prevê uma multa de 10,3 bilhões de reais.

Galinha de ovos de ouro

O grupo dos Batistas tinha uma participação de 86% das Alpargatas, que é atualmente líder no setor de calçados na América Latina. Além das Havaianas, a empresa é dona da marca Osklen, Topper além de possuir uma licença exclusiva para vender a marca japonesa Mizuno no Brasil. A companhia brasileira é uma das principais do país a ter atuação global, com mais de 700 lojas pelo mundo. Mais de 50% da receita da companhia vêm de fora do Brasil. No ano passado, a companhia faturou 4,05 bilhões de reais e lucrou 358,4 milhões.