Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Trump ataca apresentadores de TV da MSNBC: “psicopatas” e “malucos”

Presidente levou ao extremo agressão contra a jornalista Mika Brzezinski: “Sangrava por um lifting facial”

A apresentadora Mika Brzezinski
A apresentadora Mika Brzezinski Getty

Nesta quinta-feira, Donald Trump levou ao extremo a sua agressão contra Joe Scarborough e Mika Brzezinski, os apresentadores do programa Morning Joe, exibido nas manhãs da rede MSNBC. O presidente chamou o jornalista de “psicopata” por seus contínuos ataques durante as transmissões. Ela foi definida como “maluca” e dona de um “baixo coeficiente de inteligência”. “Não assistam mais [ao programa]”, aconselhou Trump pelo Twitter, após ridicularizá-los com dureza.

Assim tem início a primeira mensagem, oito minutos antes das 9h da manhã em Washington. A segunda, pouco depois, foi ainda mais forte. Começou contando que os dois jornalistas estiveram três noites seguidas em Mar-a-Lago, sua mansão de descanso na Flórida, logo antes do fim do ano, insistindo para vê-lo. “Ela sangrava por um lifting facial. Eu disse que não”, conclui o tuíte.

Trump prosseguiu na escalada de xingamentos contra Scarborough e Brzezinski, utilizando como porta-voz a sua rede social preferida. A mais branda das duas mensagens é quando ele questiona os índices de audiência do programa Morning Joe. Mas, como fez um dia antes com o ataque contra Jeff Bezos, dono da Amazon e do The Washington Post, não ficou claro o motivo da ofensiva.

Scarborough e Brzezinski tiveram uma relação de amor e ódio com Trump durante a campanha eleitoral. O apresentador chegou a ser visto como um aliado do empresário na imprensa. No início do ano, soube-se que o casal de jornalistas (os dois estão noivos) foram ao resort do agora presidente para participar de uma festa. O ato foi interpretado como mais uma prova da relação de amizade que tinham, hoje completamente desfeita.

A rede MSNBC não demorou a reagir às críticas de Trump contra os apresentadores. E o fez também com dureza. “É um dia triste para os Estados Unidos quando o presidente gasta seu tempo assediando, mentindo e vomitando ataques pessoais em vez de fazer o seu trabalho.” Sarah Huckabee Sanders, porta-voz adjunta da Casa Branca, limitou-se a dizer que o presidente “combate fogo com fogo” e não vai permitir “ataques de ódio” dos meios de comunicação liberais.

Um lutador

A entrevista coletiva diária na Casa Branca foi especialmente intensa. Ante as perguntas dos jornalistas, Sanders insistiu que os eleitores elegeram Trump porque é um “lutador”. “Se o atacam, ele responde com força”, reiterou. “Não vai ficar esperando de braços cruzados.” E perguntou aos jornalistas o que teriam feito se os condutores de Morning Joe tivessem dito as mesmas coisas sobre Barack Obama.

O escritório da primeira-dama, Melania Trump, respondeu no mesmo tom desafiador, enquanto sua filha, Ivanka Trump, manteve silêncio. Pouco depois das agressões do presidente contra Mika Brzezinski, cruzando todas as linhas vermelhas possíveis, a apresentadora publicou em sua conta a foto de uma embalagem de cereais, em que aparece uma menina do lado de uma vasilha, com os dizeres: “Feito para mãos pequenas.”

Logo depois, choveram condenações ao comportamento do presidente vindas de senadores republicanos. Lindsey Graham considerou que esse tipo de mensagem “representa o pior da política nos EUA”. Por sua vez, Ben Sasse pediu que o presidente pare de uma vez por todas. “Isso não é normal”, afirmou, lamentando que a atitude de Trump coloque em dúvida a dignidade de seu cargo.

“Estamos tentando melhorar o tom do debate, mas isso não ajuda”, afirmou Paul Ryan, líder dos conservadores no Congresso. Nancy Pelosi, líder da minoria democrata na Câmara dos Representantes, foi além e exigiu uma desculpa do presidente. Declarou que seus ditos são “sexistas, um ataque à liberdade de imprensa e um insulto às mulheres”.

A série de tuítes chega um dia após Scarborough e Brzezinski terem afirmado que Trump é o pior presidente do país, inclusive que Richard Nixon, e “o maior mentiroso” que já ocupou a Casa Branca. Durante o programa, mostraram o momento em que o jornalista Brian Karem enfrentava a porta-voz por suas inflamadas críticas à imprensa.

“Mente diariamente”, argumentou Scarborough, enfatizando o lado irônico da situação. “Muitas vezes, [mente] a cada minuto. E se esquece da mentira que disse cinco minutos antes.” O apresentador também disse que Trump tem menos integridade, entre os eleitores, que os meios de comunicação. “Está fortalecendo a imprensa”, concluiu, em defesa do trabalho da CNN, The New York Times e The Washington Post.

MAIS INFORMAÇÕES