Brasil nega venda de bombas de gás lacrimogêneo para a Venezuela

Protestos da oposição ao presidente Maduro já contabilizam 74 mortos e centenas de feridos

Protesto contra Maduro é reprimido com gás em Caracas na segunda.
Protesto contra Maduro é reprimido com gás em Caracas na segunda.I. A. / REUTERS

Mais informações

Em meio à onda de manifestações na Venezuela lideradas pela oposição, o Brasil negou um pedido de compra de bombas de gás lacrimogêneo feito pelo Governo de Nicolás Maduro. De acordo com a Política Nacional de Exportação de Material de Emprego Militar brasileira, o gás lacrimogêneo necessita da autorização do Ministério das Relações Exteriores para poder ser exportado e o pedido foi negado.

Segundo a agência EFE, o Governo brasileiro assegurou que as cargas de bombas, cuja venda foi negociada no mês de abril com a empresa brasileira Condor Tecnologias, com sede no Rio de Janeiro, "não foram embarcadas".

De acordo com o Instituto Igarapé, entre 2008 e 2011 a Condor vendeu 143 toneladas de armas não letais para a Venezuela, incluindo bombas de gás lacrimogêneo, de efeito moral e balas de borracha, totalizando em torno de 20 milhões de reais. O Itamaraty informou que a última venda de gás lacrimogêneo do Brasil para a Venezuela registrada pelo governo brasileiro ocorreu em 2011.

"Agora, muito possivelmente, a Venezuela passará a usar produtos vencidos que sobraram nos estoques", diz Oliver Stuenkel, professor de relações internacionais da Fundação Getúlio Vargas. "Isso representa um perigo adicional, já que as substâncias perderam a validade".

A EFE também informa que o governo brasileiro suspendeu a venda à pedido da oposição venezuelana. Os protestos contra o o Governo Maduro já duram mais de 80 dias e contabilizam ao menos 74 mortes e centenas de feridos, segundo a promotoria da Venezuela.

No início deste mês, o governo brasileiro condenou as agressões a parlamentares ocorridas em Caracas. Por meio de uma nota divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, o Brasil rechaçou as agressões da Guarda Nacional Bolivariana contra Juan Requesens e Miguel Pizarro, durante manifestação ocorrida em Caracas. A nota ainda acrescentou que outros manifestantes, incluindo adolescentes, foram golpeados com violência. "O Brasil condena a escalada da repressão na Venezuela e faz apelo ao governo daquele país para que respeite a Constituição de 1999 e deixe de cercear liberdades civis e políticas", diz a nota.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50