Temer depõe sobre corrupção e é julgado no TSE por crime eleitoral

Presidente tem até 16h30 desta terça para responder por escrito sobre tentativa de obstruir a Lava Jato

Temer durante cerimônia no Palácio do Planalto.
Temer durante cerimônia no Palácio do Planalto.Joédson Alves (EFE)

 

No dia em que se inicia o julgamento que pode definir o seu futuro na presidência da República, Michel Temer terá de responder por escrito a 82 incômodas questões feitas pela Polícia Federal. Será o seu depoimento formal no inquérito em que é investigado por três crimes: corrupção, obstrução à Justiça e participação em organização criminosa. Nesta terça-feira o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) começa a decidir se chapa Dilma-Temer é culpada ou inocente dos delitos de abuso de poder político e econômico durante a eleição presidencial de 2014, quando foi a vencedora.

Mais informações
Julgamento da chapa Dilma-Temer no TSE; acompanhe
‘Carnaval político’ pelas “Diretas Já”’ lota o largo da Batata, em São Paulo
O preço do poder para Temer: perdão de dívida, concessão de rádio e verba a parlamentares
PSDB, o novo PMDB de Michel Temer

Antes da abertura da sessão da Corte eleitoral, prevista para 19h, os advogados do atual presidente terão de se desdobrar para entregar as respostas às indagações dos policiais. O prazo estipulado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, foi de 24 horas após a notificação oficial, ou seja, o horário limite é 16h30 desta terça. A defesa do presidente se comprometeu a entregar as respostas neste dia. No rol de questionamentos, conforme investigadores, não constam apenas dúvidas relacionadas à gravação feita pelo empresário da JBS Joesley Batista, que ajudou a embasar o inquérito contra o presidente. Segundo a Polícia Federal, todos os fatos apresentados na investigação foram alvos de indagações.

Apesar de contestar o uso da gravação como prova judicial, o presidente já admitiu que recebeu Joesley em um horário fora de sua agenda pública, na residência oficial da Vice-Presidência e que ouviu dele relatos sobre a compra de favores de membros do Ministério Público e do Judiciário. Na ocasião, o sócio da JBS era investigado em cinco megaoperações da Polícia Federal. E mesmo diante dessas confissões de crimes, Temer nada fez. Não o denunciou porque não o levou a sério, segundo o próprio peemedebista afirmou em várias entrevistas e pronunciamentos. Ou seja, Temer deu a abertura para que também seja investigado por prevaricação.

Outro fato que consta dos questionamentos da polícia, dizem os investigadores, está a relação entre o presidente e Rodrigo Rocha Loures, seu ex-assessor especial e ex-deputado federal pelo PMDB do Paraná que foi apontado com seu homem de “extrema confiança” e seria a ponte entre Joesley e Temer. Loures foi preso no sábado passado. Antes, durante a investigação iniciada quando os executivos da JBS firmaram um termo de delação premiada, o ex-deputado foi filmado carregando uma mala com 500.000 reais que teriam sido pagos como propina. Os investigadores querem saber a quem esse recurso ilícito seria entregue.

Enquanto aguarda o desenrolar dessa semana que pode ser decisiva para seu mandato-tampão, Temer montou uma espécie de gabinete de gestão de crise no Palácio do Planalto. Assessores das áreas jurídica e de comunicação reúnem-se em uma sala próxima a do presidente sempre que novos fatos veem à tona. Discutem desde a estratégia de como agir diante de notícias negativas para o Governo, até a postura que deve ser adotada quando a apuração policial avança.

Confrontos

No fim de semana, o presidente autorizou que seus defensores partissem para o ataque contra o procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Ao jornal Folha de S. Paulo, Gustavo Guedes, que defende Temer na corte eleitoral e assessora sua defesa no Supremo Tribunal Federal, afirmou que a atuação do procurador era para constranger o TSE. O discurso de Guedes surgiu com a pretensão de desviar o foco da prisão de Loures e da possibilidade de o ex-deputado firmar um acordo de colaboração com o Ministério Público. “Temos indicativos de que virão movimentos e iniciativas de Janot às vésperas do julgamento do TSE na tentativa de constranger o tribunal a condenar o presidente”, afirmou o advogado à Folha.

O julgamento da chapa Dilma-Temer caminha para analisar não só os fatos jurídicos, mas também a conjuntura política, na qual o atual presidente perde cada dia mais força no Legislativo, está encurralado pelas investigações policiais e vê crescerem os protestos que pedem sua saída do poder. “Nenhuma decisão jurídica é totalmente isenta. O princípio de neutralidade de Montesquieu não existe. E esse caso que o TSE julgará é uma prova disso”, afirmou Walber de Moura Agra, advogado eleitoral e professor da Universidade Federal de Pernambuco.

Para Agra, há uma contradição a ser resolvida pelo TSE nesta semana que é a de julgar um caso em que as provas, no seu entendimento, comprovariam o cometimento do crime de abuso de poder, mas que na área processual contém falhas. “Constatando o número de provas que existe, não vejo outro direcionamento a não ser pela condenação da chapa”, diz e completa: “Essa ação começa com uma anomalia, porque as contas de Dilma e Temer foram aprovadas. Abrir processo com base em provas que são feitas momentos depois é você quebrar a estabilidade jurídica”. Esses serão dois dos principais argumentos utilizados pela acusação e defesa a partir da noite desta terça.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS