Champions League
Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

O futebol antes era o esporte do povo

Aquele que queira estar em Cardiff em 3 de junho, no sábado, que prepare o bolso

Uma réplica da taça da Champions League, acima do Castelo de Cardiff.
Uma réplica da taça da Champions League, acima do Castelo de Cardiff.Rebecca Naden (REUTERS)
Mais informações

O futebol começou sendo o esporte do povo e, neste momento, está sendo negócio da UEFA. 18.000 entradas para cada clube para essa final da Champions League a preços quase proibitivos. Aquele que queira estar em Cardiff em 3 de junho, no sábado, que prepare o bolso. As entradas mais baratas custam 71 euros e as mais caras, 460. Mas o difícil será encontrar voos, e, se encontrar, são de 600 euros para mais, sem citar que terá que ir a outras cidades ao redor da capital galesa, e terá que ir de carro, de trem ou com o que tenha que utilizar.

E, é claro, encontrar hotéis. Em Cardiff já é impossível. Um dos últimos poucos hotéis disponíveis, o mais luxuoso da cidade, custava mais de 1.300 euros por noite. O resto são casas, por exemplo, a cinco quilômetros do estádio, por 3.900 euros para quartos com quatro pessoas. Vai sair cara a noite. Ou compartilhar vagas em uma beliche por 120 euros para cada beliche, mais o preço da entrada. Assim, somados hotel, voo e outras necessidades, além do preço da entrada, aquele que tenha a sorte de conseguir ir ao estádio terá que quebrar alguns créditos.

Isso, repito, era o esporte do povo, mas a UEFA colocou a final em Cardiff para fazer isso a 18.000 madridistas e 18.000 torcedores da Juventus. Embora eu tenha a impressão de que, em vez de 18.000 de cada um dos clubes, entrassem 50.000, se encheria igual.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: