Exército venezuelano jura “lealdade incondicional” a Maduro

Presidente da Venezuela manda militares saírem às ruas na véspera da manifestação da oposição

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, fala no palácio de Miraflores.Cortesía | VÍDEO EFEundefined

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, respondeu nesta segunda-feira à manifestação da oposição programada para quarta-feira em Caracas com uma demonstração de força do chavismo. Mandou o Exército marchar “em defesa da moral” e “em repúdio aos traidores da pátria”, mas o ato serviu para exibir o apoio maciço dos militares. Assim o expressou o ministro da Defesa, Vladimir Padrino López: “A Força Armada Nacional Bolivariana [FANB] preserva sua unidade monolítica, granítica, e ratifica sua lealdade incondicional ao presidente”. A mensagem, inequívoca, é em si uma advertência em meio a um clima de tensão e depois de duas semanas de protestos. As mobilizações aumentaram desde que no dia 30 de março o Tribunal Supremo de Justiça deixou sem poderes o Parlamento, de maioria oposicionista, aprofundando assim a crise institucional no país latino-americano. O mesmo tribunal retificou sua decisão dias mais tarde, mas os manifestantes continuaram seu braço de ferro contra o Governo.

Mais informações

Diante do aumento da pressão, Maduro apareceu na noite de domingo cercado por seus ministros no palácio de Miraflores, sede da Presidência da República. Ele o fez para anunciar que dois dias antes do protesto de quarta-feira, ao qual o chavismo responderá com uma mobilização paralela, o Exército sairia às ruas. “Desde o primeiro toque da alvorada, desde o primeiro cantar de galo, a Força Armada Nacional Bolivariana estará sob o canto e o trote, dizendo viva a união cívico-militar, viva a revolução bolivariana”, enfatizou Maduro. Os militares marcharam, desarmados, e fizeram um chamamento contra os protestos da oposição.

O presidente venezuelano descreveu a mobilização como uma exaltação dos valores associados ao situacionismo e como um aviso à oposição. Ou seja, “uma jornada em defesa da moral, da honra, do compromisso, da união cívico-militar, do compromisso com a pátria, em repúdio à traição à pátria e aos traidores da pátria, que do exterior, de Miami, de Bogotá, de Santo Domingo, triangulam conspirações”.

Em 29 de março, o governador do Estado de Miranda, o oposicionista Hernique Capriles, pediu ajuda aos colombianos durante uma viagem a Bogotá para tentar fazer frente à escassez de alimentos e medicamentos que assola a Venezuela. O líder do Primero Justiça, partido majoritário da Mesa da Unidade Democrática (MUD), apontou na ocasião as prioridades para seu país e a espinha dorsal das reivindicações de sua formação política: o reconhecimento da Assembleia Nacional, a libertação de presos políticos como Leopoldo López, a abertura de um canal humanitário para alimentos e remédios e a realização de eleições livres.

Denúncia de torturas

O Governo venezuelano procura vincular a manifestação com os episódios de violência de rua registrados nas últimas semanas. Desde as sentenças do Supremo, houve ao menos cinco mortes nos protestos. A Igreja e a oposição atribuíram a maioria dessas mortes aos grupos de choque próximos do chavismo. Maduro, no entanto, falou de uma “agressão” que tenta semear “o caos” e deixou claro que punirá quem for considerado responsável nas fileiras da oposição. “Meu pulso não tremerá para fazer justiça”, afirmou, ao comparar as manifestações com a tentativa de golpe de Estado contra Hugo Chávez em 2002. Segundo Maduro, “é o mesmo beco sem saída”.

A organização de venezuelanos no exílio Veppex denunciou em um comunicado que os irmãos “Francisco José e Alejandro Sánchez Ramírez, líderes da juventude do partido Primeiro Justiça, foram presos na quinta-feira durante um protesto” e foram “torturados” para “forçá-los a gravar uma declaração responsabilizando deputados e líderes da oposição pelos acontecimentos violentos na Venezuela”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: