Cambridge, nos EUA, capital política do Brasil

Evento nos EUA reúne establishment brasileiro e debate crise política. Dilma e Moro falam neste sábado

Marina Silva fala em conferência nos EUA.
Marina Silva fala em conferência nos EUA.Lpinfocus / Divulgação

Um evento dos alunos brasileiros de Harvard e do MIT (The Massachusetts Institute of Technology), duas das universidades mais caras e com mais prestígio do mundo, transforma a cidade de Cambridge, em Massachusetts, nos EUA, em espécie de capital do establishment político brasileiro nesta sexta-feira e sábado. Com o objetivo ousado de reunir no mesmo espaço _e até na mesma mesa_ personalidades políticas, empresários, artistas, pensadores e ativistas de vários matizes, os organizadores tentaram variar os temas, mas acabaram vendo a crônica crise política brasileira dominar o debate.

Mais informações

Coube a Marina Silva, ex-ministra do Meio Ambiente dos governos petistas e ex-candidata presidencial, abrir a terceira edição da Brasil Conference at Harvard & MIT, em um painel sobre sustentabilidade aconteceu. Em um dos prédios do MIT, com vistas para rio Charles e arranha-céus da região, Marina manteve a defesa de um projeto de baixa emissão de carbono como saída para o desenvolvimento sustentável, mas não conseguiu escapar do bombardeio de perguntas sobre a cena política, que vieram tanto da plateia como das redes sociais. "A Lava Jato é uma das coisas mais importantes que está acontecendo depois da reconquista da democracia. Se não podemos condenar a priori, não podemos inocentar a priori", disse ela. "A Lava Jato está fazendo uma reforma política na prática".

Quanto à proposta de reforma política em discussão no Congresso, a ex-senadora, agora na Rede, foi duríssima. Disse que se trata de uma "aberração". Criticou a lista fechada para eleição legislativa, que é quando o eleitor escolhe um grupo de candidatos pré-definidos pelos partidos, porque o formato, segundo ela, dá ainda mais poder aos "caciques" das legendas e afasta ainda mais o eleitor.

Derrotada nas duas últimas campanhas à presidência da república (2010 e 2014), Marina evitou ser taxativa sobre 2018. "Não tenho como projeto de vida ser presidente. Tenho como projeto de vida que o Brasil seja um país melhor pra se viver".

Dilma e Sérgio Moro

O discussão sobre a reforma política seguiu no evento, em painel que reuniu o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Gilmar Mendes, e o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo. Antes de sua participação, Mendes falou aos jornalistas defendendo que a reforma política seja aprovada antes de 2 de outubro para já valer nas eleições de 2018. Vamos para a eleição de 2018, que é uma eleição grande, sem modelo específico. "Só com doação das pessoas físicas, que no Brasil não tem tradição, e muito provavelmente vamos ficar entregues ao crime organizado, a pessoas que já trabalham no ilícito ou a algumas organizações que têm modo próprio de financiamento", disse ele. O presidente do TSE também defendeu o andamento da ação que julga a chama Dilma Rousseff-Michel Temer, de 2014, e que pode levar à cassação do peemedebista. Ele disse que a Justiça eleitoral é "célere" e afirmou que, independentemente do resultado, a ação promoverá uma reforma nas práticas políticas. "É talvez a decisão mais grave com a qual se defrontou o tribunal, senão a mais grave da sua história, e o tribunal terá que ter noção de suas responsabilidades", disse.

Com a temática "diálogo que conecta", a organização, que conta com o patrocínio da Fundação Lemann, do bilionário João Paulo Lemann (ele também será palestrante), e outras empresas, os estudantes brasileiros colocaram na mesma mesa o vereador Eduardo Suplicy (PT) e o filósofo Olavo de Carvalho, ícone conservador no Brasil. Neste sábado, agora em instalações de Harvard, também em Cambridge, o evento receberá a ex-presidenta Dilma Rousseff e o juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância, falarem. Não sentarão na mesma, porém. Eles serão entrevistados em sessões distintas. 

No EL PAÍS, dezenas de jornalistas trabalham para levar a você as informações apuradas com mais cuidado e para cumprir sua missão de serviço público. Se quiser apoiar nosso jornalismo e ter acesso ilimitado, pode fazê-lo aqui por 1 euro no primeiro mês e 10 euros a partir do mês seguinte, sem compromisso de permanência.

Inscreva-se

Mais informações