Eleições presidenciais no Equador | Segundo turno

Candidato de Correa se declara vencedor da eleição do Equador, mas oposição pede recontagem

Líder opositor Guillermo Lasso aponta fraude e afirma que posse de Lenín Moreno “seria ilegítima”

O candidato da situação Lenín Moreno e o opositor Guillermo Lasso.
O candidato da situação Lenín Moreno e o opositor Guillermo Lasso.STAFF (REUTERS)

O candidato governista Lenín Moreno declarou-se ganhador do segundo turno eleitoral realizado neste domingo no Equador, em meio a denúncias de fraude da oposição. Com cerca de 97% dos votos apurados, o ex-vice-presidente consegue se impor por pouco mais de dois pontos percentuais ao candidato da oposição, o banqueiro Guillermo Lasso. Num primeiro momento, logo após o fechamento das urnas, ambos os políticos atribuíram a vitória a si próprios, baseando-se em pesquisas divergentes de boca de urna. Os dados do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) deram 51% a Moreno, contra 49% para Lasso, que já exigiu a recontagem das cédulas.

O candidato do Movimento CREO-SUMA dirigiu-se ao público para impugnar os resultados, depois de relatar por telefone a situação ao secretário-geral da OEA, Luis Almagro. Ele disse que os representantes da sua aliança irão “apresentar nas 24 províncias do país as objeções numéricas” às cifras divulgadas pelas autoridades. “Estamos em pé de guerra e vamos defender a vontade popular”, enfatizou, acrescentando que um Executivo comandado por Moreno “seria ilegítimo”. Prometeu “defender a vontade do povo equatoriano frente às pretensões de uma fraude que tem por objetivo instalar um Governo que desde já seria um Governo ilegítimo no Equador”. Lasso, além disso, publicou em sua conta do Twitter a foto de “um exemplo de atas que demonstram inconsistências” numa seção eleitoral de 248 eleitores, onde o resultado, segundo essa imagem, teria sido invertido.

MAIS INFORMAÇÕES

Moreno, por sua vez, se dirigiu aos equatorianos como novo presidente do país: “Com o coração na mão, agradeço a todos os que em paz e harmonia foram votar. Serei o presidente de todos, e vocês irão me ajudar”. Proclamou-se ganhador e comemorou com Correa entre canções de Joan Manuel Serrat e Quilapayún. A sua coalizão Aliança País informou durante a madrugada que às 11h desta segunda-feira (13h em Brasília) “o presidente-eleito da República do Equador, Lenín Moreno”, participará da cerimônia da troca de guarda no palácio presidencial. Segundo a apuração oficial, o chamado “socialismo do século XXI”, projeto político iniciado em 2007 por Correa, resiste, embora com claros sinais de desgaste. O mandatário da chamada “revolução cidadã” obteve o apoio majoritário em três mandatos, graças sobretudo à sua política de investimentos, mas na última legislatura o descontentamento cresceu e a sociedade evidenciou profundas divisões.

Temor a uma tutela de Correa

Os analistas dão como certo que, de qualquer forma, abre-se uma nova etapa, diferente da de Correa. Franklin Ramírez, professor de Estudos Políticos da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais, diz que este resultado “põe em xeque a tese de uma guinada à direita”, mas recorda que “um Governo de Lenín não será o Governo de Correa”. Por sua vez, os opositores temem que Moreno atue sob a tutela do presidente que sai. Uma eleitora da Aliança País, Romi Ortiz, mostrava sua confiança na continuidade do seu legado. “Lenín vai continuar apoiando os pobres e continuará tudo o que Correa fez de bom.”

Toda a corrida eleitoral foi marcada por uma campanha suja, troca de acusações e escasso conteúdo político. Mas os quase 13 milhões de cidadãos chamados a votar elegeram um presidente que, dadas as circunstâncias desta nova etapa, a divisão social e as dificuldades econômicas, terá de se dispor a dialogar com a oposição. Foi a primeira vez em uma década que o Equador teve de votar para desempatar em um segundo turno, o que mostra os rachas da última legislatura. Em 19 de fevereiro, Moreno ficou alguns décimos abaixo de 40%, o mínimo necessário para evitar uma nova votação. Lasso mal passou de 28%, mas, nas últimas semanas, tentou capitalizar o voto de outras forças. Cynthia Viteri, do Partido Social Cristão, e o social-democrata Paco Moncayo, ex-prefeito de Quito, anunciaram publicamente seu apoio ao líder do Movimento CREO. Esses chamados, no entanto, não garantiram um comportamento uniforme de seus eleitores.

O resultado foi disputado até o final. O candidato governista liderava a maioria das pesquisas, apesar de o ex-presidente do Banco do Guayaquil voltar a subir nos últimos dias de campanha. O voto dos indecisos, entre 6% e 14% segundo diferentes pesquisas, se mostrou decisivo. Nestas eleições a política equatoriana também se mediu com os cidadãos indignados e desiludidos com seus governantes. “Não sou a favor nem de Correa nem do outro, mas o lobo vestido de ovelha, para quê”, diz Cristian Cuchipe, de 32 anos, sobre Lasso em relação a seu passado de banqueiro.

Às portas da seção eleitoral instalada na escola São Francisco de Quito onde o presidente votou no início da manhã, os eleitores das duas opções mostravam seu desejo de começar um novo ciclo. “Vim votar para ver se acontece uma mudança e saímos deste socialismo”, afirmava Carlos Donozo, de 29 anos. Um casal defendia o trabalho de Correa e, por isso, votou em Moreno, que segundo os analistas quer inaugurar um novo estilo. “É preciso estar consciente de que houve investimentos em serviços públicos e estradas”.