Medo do terrorismo em Paris

Vidro à prova de balas cercará Torre Eiffel contra possíveis atentados

Segundo a prefeitura de Paris, o sistema de proteção custará cerca de 66 milhões de reais

Agências
A torre Eiffel, em Paris (França), numa imagem de 2010.
A torre Eiffel, em Paris (França), numa imagem de 2010.EFE

A Torre Eiffel, símbolo de Paris, será cercada por um vidro à prova de balas com dois metros e meio de altura, informou a prefeitura da capital francesa nesta quinta-feira. Assim, o monumento ficará protegido contra possíveis atentados terroristas. A barreira custará 20 milhões de euros (cerca de 66,61 milhões de reais) e será instalada ainda neste semestre. Substituirá as cercas de metal que atualmente estão dispostas ao longo de 324 metros ao redor da torre e foram colocadas no ano passado durante a Eurocopa.

Mais informações

“A ameaça terrorista continua sendo grande em Paris e os lugares mais vulneráveis, começando pela Torre Eiffel, devem ser objeto de medidas de segurança especiais”, disse o vice-prefeito, Jean-François Martins, durante uma entrevista coletiva, como informa a agência France Presse. O perímetro de vidro impedirá que pessoas ou veículos atentem impactem contra o lugar, visitado por seis milhões de pessoas anualmente, acrescentou.

Alguns vereadores citados pelo jornal Le Parisien afirmaram temer que a parede de vidro transforme a torre numa “fortaleza”. O perímetro de segurança poderia dissuadir os turistas que quiserem simplesmente tirar uma foto sob o monumento, sem intenção de visitá-lo. Martins respondeu dizendo que os visitantes continuarão terão acesso à torre a pé, depois de passar por controles de segurança.

Alguns vereadores temem que o monumento se transforme uma “fortaleza”

O vice-prefeito disse que o fato de eliminar as cercas antiestéticas que agora rodeiam a Torre Eiffel permitirá tanto aos visitantes quanto aos parisienses ter “uma vista melhor do monumento”. Segundo disse, uma equipe de arquitetos ajudará a desenhar a parede de modo a não interferir com o Sena, que bordeia a torre ao norte, e nem com o Campo de Marte, que o faz ao sul.

A segurança foi reforçada nos pontos turísticos da França, os sistemas de transporte e os locais de culto depois de uma série de atentados jihadistas, que mataram cerca de 239 pessoas na França entre julho de 2015 e julho de 2016.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50