Evo Morales dedica um museu a Evo Morales

Bolívia investe oito milhões de dólares em um recinto que presta homenagem à figura do presidente em sua cidade natal, de 600 habitantes

Evo Morales, à direita, e o vice-presidente García Linera junto a uma estátua do presidente.
Evo Morales, à direita, e o vice-presidente García Linera junto a uma estátua do presidente.DAVID MERCADO (Reuters)
Mais informações
Evo Morales usa imagens de ‘Star Wars’ em campanha pela reeleição
Presidente da Bolívia planeja outro referendo sobre sua reeleição
MARIO VARGAS LLOSA | 'A derrota de Evo'

Evo Morales inaugurou nesta quinta-feira o Museu da Revolução Democrática Cultural, dedicado à luta camponesa desde os tempos coloniais até o Governo do primeiro presidente indígena da Bolívia. O museu está localizado na cidade natal de Morales, Orinoca, com população de 600 habitantes, localizada a três horas da cidade mais próxima, Oruro. O custo da construção foi de cerca de oito milhões de dólares.

O principal fundo do museu foi doado pelo próprio Morales: os 16.000 presentes que recebeu durante seus 11 anos como governante, principalmente das comunidades rurais. Portanto, contém uma importante coleção de símbolos indígenas de poder como cetros, chicotes e chapéus cerimoniais. "Não é um museu de presentes, como querem que pareça; colocamos a doação do presidente no contexto das lutas indígenas, de onde sai Evo", disse ao EL PAÍS Leonor Valdivia, uma das curadoras do museu.

A obra, na qual trabalharam reconhecidos historiadores e artistas nacionais, tem todas as condições e serviços de um repositório moderno: sala de exposições temporárias, centro de documentação, biblioteca, café, loja, etc., organizados em mais de 10.000 metros quadrados, o que o transforma no maior museu do país. O tamanho faz com que seja excêntrico para a região em que está localizado, que é uma das mais pobres da Bolívia.

A imagem de Morales é preeminente na exposição, que contém vídeos com seus discursos mais famosos, assim como retratos e fotografias. A construção do museu foi ordenada pelo Governo em 2006, poucos meses após a posse do líder esquerdista. O próprio decreto governamental declarou Orinoca "patrimônio histórico nacional" e a humilde casa onde o presidente nasceu como "monumento histórico".

Durante todos estes anos o museu foi objeto de controvérsia. Para seus críticos, contribui para o "culto à personalidade" que supostamente o oficialismo nutre em relação ao seu líder e é um desperdício, porque, devido à sua localização, não poderá ser usado por grande parte da população. Para seus defensores, permite o acesso público aos presentes valiosos recebidos pelo presidente e contribui para a tarefa governamental de exaltar a contribuição das nações indígenas, ancestralmente marginalizadas, à cultura e política do país.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS