Eike Batista é preso pela PF no Rio após três dias foragido

Acusado de irrigar o suposto esquema corrupto do ex-governador do Rio, o empresário afirma: "Vou contar como são as coisas"

O empresário Eike Batista chega a presídio no Rio.
O empresário Eike Batista chega a presídio no Rio.Antonio Lacerda (EFE)
Mais informações

Após três dias considerado foragido, o empresário Eike Batista, aquele que já foi o homem mais rico do Brasil, foi preso pela Polícia Federal no aeroporto internacional do Rio na manhã desta segunda-feira. Eike estava em Nova York e é alvo da Operação Eficiência, um desmembramento da Operação Lava Jato no Rio, acusado de ter irrigado o suposto esquema de corrupção do ex-governador do Rio Sergio Cabral, preso desde novembro. Os advogados do empresário negociavam sua entrega às autoridades policiais brasileiras desde quinta-feira, quando a Polícia Federal tentou executar o pedido de prisão preventiva. A prisão, no entanto, estava decretada desde o dia 13 deste mês.

O empresário é acusado de ter repassado em propina 16,5 milhões de dólares (mais de 52 milhões de reais) ao ex-governador Cabral através de uma conta estrangeira a nome de terceiros. A operação ainda foi disfarçada de legalidade ao ser firmado um contrato de fachada que contemplava a compra e venda, que nunca existiu, de uma mina de ouro. A manobra financeira foi detalhada pelos supostos artífices, os irmãos Chebar, dois operadores financeiros que viraram delatores após anos facilitando o suposto esquema corrupto de Cabral. Os delatores, no entanto, conforme revela a decisão judicial, nunca trataram diretamente com Eike e sim com o braço-direito deste, Flávio Godinho. Preso na quinta, ele é vice-presidente de futebol do Flamengo e foi alto executivo do grupo EBX, grupo de empresas de Batista, que preparava sua ressurreição no mundo dos negócios com o lançamento de uma inovadora pasta de dentes.

No saguão do aeroporto de Nova York, um Eike descontraído, mas medindo cada palavra, falou com jornalistas. “Vou responder à Justiça como é meu dever”, disse o empresário ao jornal  O Globo. E ainda acrescentou: “Vou contar como são as coisas, simples assim. Se foram cometidos erros, você tem que pagar pelos erros que você fez. É assim, né?”. Eike, grande e tradicional financiador de campanhas de todos os partidos, não confirmou se vai assinar um acordo de delação premiada.

O empresário foi primeiramente encaminhado ao Instituto Médico Legal e já se encontra no presídio Ary Franco, na zona norte do Rio, onde rasparam o cabelo dele e foi encaminhado para Bangu 9, uma cárcere mais nova, menos violenta e que oferece melhores condições. O lugar para onde ele ia ser transferido foi motivo de especulação e os advogados dele disseram temer pela segurança de Eike. No Rio, um dos elementos para decidir onde levar um preso ainda não condenado – além do regime ao que está submetido e se pertence a uma ou outra facção criminosa – é se ele tem diploma de curso superior. Nesses casos, os prisioneiros ocupam cela especial. Eike, que fez fortuna com a exploração mineral, reconheceu na própria biografia que não tinha concluído a faculdade de engenharia.

Há alguns meses que o nome de Eike paira nas investigações da Operação Lava Jato. Em maio do ano passado, o empresário prestou depoimento espontaneamente no Ministério Público Federal em Curitiba e envolveu o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega, que teve a prisão decretada — e depois revogada — pelo juiz Sergio Moro, em setembro. Eike afirmou que, em 2012, Mantega, então ministro e presidente do Conselho de Administração da Petrobras, pediu um pagamento de cinco milhões de reais para quitar dívidas de campanha do Partido dos Trabalhadores (PT). O dinheiro teria sido pago através de contratos de fachada com a empresa do marqueteiro do PT, João Santana, também envolvido na Operação Lava Jato.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: