IRÃ

Edifício desaba durante incêndio em Teerã e ao menos 20 bombeiros ficam soterrados

Prédio desmoronou durante um incêndio e resgate procuram cerca de 50 pessoas soterradas

Membros dos serviços de resgate iranianos buscam possíveis vítimas entre os escombros do edifício Plasco. (atlas)

Mais informações

Pelo menos 20 bombeiros estão soterrados sob os escombros de um edifício do centro de Teerã que desabou nesta quinta-feira por causa de um forte incêndio, segundo o prefeito da capital iraniana, Mohamad Baqer Qalibaf. Ele informou à TV pública do país que as equipes de resgate continuam procurando os desaparecidos na tragédia, que também deixou dezenas de feridos.

A agência semioficial Fars relatou que possivelmente mais de 50 pessoas, incluindo os bombeiros, ficaram retidos nos escombros. Outras fontes indicam que entre 20 e 25 soldados foram vitimados. A última cifra oficial aponta 70 feridos, em sua maioria bombeiros, sendo que 47 foram atendidos no local, e outros 23 foram transferidos a um hospital.

O fogo começou por volta de 8h (2h30 em Brasília), quando ainda havia pouco movimento no edifício Plasco, um centro comercial de 17 andares. O prédio estava quase vazio, e os poucos comerciantes que já haviam chegado foram retirados pelas escadas de emergência, segundo o prefeito. O comerciante Hosein Kolahi, que presenciou o incêndio, disse ter visto cenas foram “horrorosas” e de muita tensão.

“Parecia que as chamas já estavam se extinguindo, e os serviços de emergência disseram que o incêndio estava controlado, mas logo ele se reavivou”, contou Kolahi, com a voz nervosa, à agência Efe. Segundo seu testemunho, o edifício caiu em poucos segundos, num momento em que, além dos bombeiros, alguns comerciantes e fotógrafos também estavam no interior do prédio.

Um ícone de Teerã

O Plasco, um edifício comercial que foi construído em 1962 e se tornou um ícone de Teerã, desmoronou três horas e meia depois do início do incêndio, que se propagou por todos os andares. Além do centro comercial, outros prédios vizinhos foram desocupados, incluindo as embaixadas da Turquia e do Reino Unido, embora nenhum deles tenha sofrido danos.

Não há informações sobre as causas do incêndio, que começou no nono andar e provocou inicialmente o desmoronamento da parede norte do edifício. O governador de Teerã, Hosein Hashemi, descartou um ato terrorista. Os arredores do centro comercial foram interditados pelas forças de segurança para facilitar os trabalhos de resgate, feito pelos bombeiros com o apoio de dezenas de ambulâncias e helicópteros.

O centro comercial Plasco, que abrigava lojas e oficinas de confecção e era considerado o primeiro arranha-céu moderno do Irã, ficava na avenida Jomhouri (ou “da República”), uma das principais artérias do centro do Teerã.