No Brasil se usa menos redes sociais que no Paraguai

Metade dos latino-americanos sem água potável está conectada à tecnologia 2.0

Usuário usa um smartphone
Usuário usa um smartphoneJOE RAEDLE (AFP)
Mais informações
Os sites que ajudarão o Facebook a detectar notícias falsas
WhatsApp permitirá apagar mensagens enviadas
Site diz quanto você valeria se vivesse em um episódio de ‘Black Mirror’
Latinos viciados no Facebook

Sem água potável, com dificuldades para se alimentar todos os dias, mas conectados ao Facebook e WhatsApp. Mais da metade dos latino-americanos que mal têm acesso aos itens básicos está conectada às redes sociais. É o que revela um estudo feito para o EL PAÍS pelo Instituto para a Integração da América Latina (INTAL), departamento do BID, e a Corporação Latinobarômetro. A penetração das novas tecnologias na região caminha mais rápido que a inclusão social e a igualdade.

“Embora exista uma brecha significativa de uso – entre 10 e 15 pontos – entre quem declara problemas sociais e quem não o faz, há um alto porcentual de pessoas que, embora em situação de vulnerabilidade, usam redes sociais”, assinala o relatório. Um total de 57% dos participantes na pesquisa – mais de 20.000 cidadãos de 18 países da região – que reconheceram não ter tido durante o último ano comida suficiente para se alimentar “às vezes ou com frequência” dispõe de Facebook, WhatsApp e YouTube. O porcentual de usuários de redes sociais sem acesso a água potável chega a 51%.

A última década de bonança econômica e preços altos das matérias-primas propiciou uma ligeira redução da pobreza na região. Ainda assim, 28% dos latino-americanos vivem na exclusão, de acordo com os últimos dados da CEPAL. Nesse mesmo período, o número de usuários de Internet se multiplicou por três, segundo o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF). Passou dos 17% em 2005 aos 53% em 2015. Ainda longe, porém, de países desenvolvidos da OCDE, onde se registram taxas ao redor de 82%.

O Paraguai lidera a classificação como o país latino-americano onde mais se usam as redes sociais: acesso alcança 83% dos usuários, ante 63% no Brasil

O perfil do usuário latino-americano coincide com o do internauta médio. “Observa-se em geral uma maior utilização entre os com menos idade, maior nível educacional e socioeconômico”, confirma o relatório do BID. Por exemplo: 81% dos usuários menores de 24% estão conectados ao Facebook enquanto apenas 10% dos maiores de 65 anos são usuários dessa rede, e menos ainda do Twitter (2%) e Instagram (1%).

As ferramentas mais utilizadas são o Facebook e o WhatsApp, com um acompanhamento acima dos 50%. O YouTube é usado por 3 de cada 10 latino-americanos. Seguem-se Instagram (14%), Twitter (13%) e Snapchat (5%). Um total de 35% dos latino-americanos não usa nenhuma rede social.

O Paraguai lidera surpreendentemente a classificação como o país latino-americano onde mais se usam as redes sociais. Em termos relativos – número de usuários por população total – o acesso às novas tecnologia alcança 83%. Apesar de ser um dos países que registrou maior queda da pobreza nos últimos anos – de 49% a 40% –, o Paraguai continua posicionado como uma das nações mais atrasadas da região. Em penetração de redes sociais, os postos seguintes na lista são ocupados por Costa Rica (78%), Uruguai (74%) e México (73%). E muito longe aparecem Chile (69%), Colômbia (68%) e Brasil (63%), alguns dos países latino-americanos mais prósperos.

Outra das variáveis analisadas pelo estudo é a relação entre o uso de redes sociais e uma certa predisposição liberal. “Quem utiliza redes sociais apresenta posturas mais favoráveis à integração econômica: 81% contra 70% dos que não as utilizam”, revela o relatório. A integração, conforme especificada pelo INTAL, é concebida no sentido amplo: “onde à tradicional questão de tarifas alfandegárias se somam outros fatores cada vez mais presentes em toda a negociação comercial, como os padrões trabalhistas e ambientais, a transferência de tecnologia e a cooperação em matéria de investimentos e de infraestrutura”.

E o que os latino-americanos esperam das novas tecnologias? O primeiro desejo – de 48% dos pesquisados – é que tenham um impacto positivo na saúde. Com 45% de menções seguem-se melhorias na questão das mudanças climáticas e criação de empregos. Em uma das regiões mais pobres e desiguais do mundo, a utopia digital também consiste em melhorar o nível de vida e o bem-estar das sociedades.

Uso de redes sociales por país

Paraguay registra el mayor niver de uso, seguido por Costa Rica y Uruguay

Paraguay

83%

Costa Rica

78%

Uruguay

74%

México

73%

Ecuador

72%

Argentina

71%

Panamá

69%

Chile

69%

R. Dominicana

69%

Venezuela

68%

Brasil

63%

El Salvador

55%

Honduras

55%

Perú

54%

Bolivia

54%

Guatemala

44%

Nicaragua

38%

Fuente: Latinobarómetro Total muestral. 2016

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS