Relatório do BID

Exportações latino-americanas cairão 6% em 2016

Embora a redução estimada seja inferior à registrada em 2015, já são quatro anos consecutivos de queda

Navio de carga da companhia China Shipping Group
Navio de carga da companhia China Shipping GroupEFE

O setor externo da América Latina e do Caribe continua perdendo fôlego. As exportações da região cairão 6% no ano em curso, de acordo com uma projeção do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) feita com dados de 24 países do subcontinente publicada na segunda-feira. Os técnicos da instituição enfatizam que o fraco crescimento dos volumes exportados neste ano será insuficiente para promover uma melhora no desempenho comercial da região, fortemente dependente do preço das matérias-primas nos mercados internacionais. Como registrado em 2016, agora já são quatro quedas anuais consecutivas no valor total das exportações latino-americanas.

No entanto, apesar de a nova queda ser preocupante, a redução será substancialmente menor àquela registrada em 2015, quando as exportações despencaram 15%. Por trás dessa melhora – exígua para se tornar um ponto de inflexão –, um fator se destaca do resto: a recuperação dos preços das commodities depois do baque do ano passado.

Mais informações

A contração comercial da região reflete principalmente a queda das exportações para os Estados Unidos (-5%), que apesar disso continua sendo seu maior parceiro comercial, e para o resto dos países da América Latina e do Caribe (-11%). Ambos os declínios explicam três quartos da queda total. Em menor medida, também tem incidência a redução das exportações para outro país que se tornaram vitais para as economias da América Latina, a China (-5%), para o resto da Ásia (-4%) e a União Europeia (também -4%). Em geral, a redução das importações provenientes da região por parte dos principais parceiros externos têm sido, nos últimos anos, semelhante ao do total de suas importações, com exceção de um caso: o da UE, onde a recuperação de sua demanda total não se refletiu nas compras dos países da América Latina e do Caribe.

Menos preço, menos vendas

O baixo preço das commodities continua sendo, de acordo com o estudo, a principal razão para o fraco desempenho das exportações da região no ano em curso. Embora os preços das commodities tenham melhorado ligeiramente até agora em 2016 e de mostrarem sinais de estabilização, continuam inferiores aos níveis anteriores à queda do final de 2014, com duas exceções: o açúcar, por causa da seca em vários países produtores de cana, e o ouro, que se tornou um valor refúgio em tempos de turbulência nos mercados de capitais. Os preços da soja e do café também experimentaram alguma recuperação, mas ainda permanecem abaixo daqueles verificados antes da queda do fim de 2014.

Por país, como vem sendo uma constante nos últimos anos, as piores notícias chegam da Venezuela, onde o valor total das exportações deste afundará 32%, após uma derrubada de 51% sofrida em 2015, de acordo com fontes não oficiais consultados pelo BID diante das dúvidas suscitadas pelas estatísticas apresentadas, não com a regularidade desejada, pelo país sul-americano. Neste caso, as diminuições do nível das exportações são comuns a todos os destinos. A explicação para a redução generalizada é, de acordo com o BID, o preço do petróleo ainda fraco, de cuja venda a economia venezuelana é altamente dependente.

As quedas também são notáveis em dois países do Caribe – Trinidad e Tobago (-26%) e Belize (-24%) –, e na Bolívia (-22%). Neste último caso, a redução nos embarques para o resto da América do Sul (-36%), especialmente para a Argentina e o Brasil como resultado dos preços mais baixos do gás, explica quase inteiramente o baque. Por seu lado, as exportações de minérios estagnaram, e as de manufaturados – a maioria baseada em recursos naturais – registraram um ligeiro aumento.

Barbados e Guiana, a melhor evolução

No lado oposto, Barbados (+27%) e Guiana (+26%) registraram as melhores taxas de evolução das vendas no exterior, seguidos pela Costa Rica (+7%). Neste último caso, a UE e os EUA são os responsáveis pelo crescimento das exportações da Costa Rica. Somente os embarques para a China registraram contração (-22%). As vendas por meio de regimes especiais de comércio, cerca de metade do total, cresceram 14%, e as originadas no território aduaneiro geral apenas 2%. No primeiro grupo se destacam os equipamentos de precisão e médicos, e no segundo a banana e o abacaxi.

Para o próximo ano, o coordenador do estudo, Paolo Giordano, espera um avanço nas exportações da região que deve se materializar numa reversão da tendência de queda dos últimos quatro anos, graças a um prolongamento do aumento dos preços das commodities nos mercados internacionais, assim como a uma recuperação do comércio intrarregional.

Países que, como México, Argentina e Colômbia, registraram desvalorizações da taxa de câmbio real poderiam aproveitar seu aumento de competitividade para estimular as exportações de manufaturados e aumentar a diversificação do comércio, reduzindo assim a enorme dependência regional em relação às matérias-primas. “Uma aceleração da demanda dos EUA e da China poderia sustentar as exportações da América Latina e do Caribe, mas o ressurgimento de políticas comerciais protecionistas pode afetar o prognóstico”, conclui.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50