RELATÓRIO DO FMI SOBRE AMÉRICA LATINA

Recessão assola América Latina pelo segundo ano consecutivo

Brasil, Argentina, Venezuela e Equador impedem a recuperação. Região não registrava uma queda tão acentuada desde a crise da dívida de 1983

A diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde.
A diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde. (EFE)

A América Latina não vê a luz no fim do túnel. Pelo segundo ano consecutivo, a região está em recessão, devendo registrar uma queda inédita desde a crise da dívida de 1982-1983, num sinal da enorme ressaca que assola um subcontinente que tempos atrás deslumbrava ao mundo com um crescimento na faixa dos 5% ao ano. Num cenário muito diferente daqueles dias de abundância, o Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê para 2016 uma contração de 0,5% no PIB latino-americano. Brasil, Venezuela, Argentina e Equador, embora com fortes diferenças entre si, concentram o golpe.

A atual recessão não tem uma causa única. Num gélido ambiente econômico global, onde a recuperação avança aos solavancos, a atonia chinesa, a redução no valor das commodities e a vertiginosa crise do petróleo serviram como detonantes. Mas não esgotam a explicação.

MAIS INFORMAÇÕES

O FMI alerta para o risco de acreditar que a recessão atinge a região inteira por igual. Pelo contrário, um olhar mais detalhado revela que grande parte da implosão se deve à queda de algumas poucas – mas significativas – peças do tabuleiro. Entre elas se destaca o Brasil. O gigante da América do Sul, já distante da era das borbulhas e confetes, despencou num abismo. Com sua classe política minada pela corrupção e a presidência à beira do desfalecimento, sua economia se mostra incapaz de frear a queda e repete os números negativos (previsão de -3,8%).

“A atividade econômica se contraiu devido à escassa confiança das empresas e dos consumidores, ao elevado nível de incerteza em relação à política interna, à fragilidade dos preços das exportações e à pouca competitividade”, afirma o relatório.

O Brasil não está sozinho nessa queda acelerada, que combina fragilidades macroeconômicas e erros políticos. É superado com folga pela Venezuela, país que para o FMI serve como exemplo de todos os males. Afogada numa inflação que chegará aos 720% no fim deste ano, sua recessão (-8%) é a maior da América Latina, um sinal a mais do turbilhão em que o regime chavista lançou a antiga pérola petroleira.

“As condições econômicas da Venezuela se deterioram, com distorções políticas e desequilíbrios fiscais que continuam sem resolver”, observa o organismo internacional.

O clube da tristeza é completado pelo Equador, com uma queda de 4,5% no PIB, e pelo outro colosso sul-americano, a Argentina, com uma queda de um ponto. O prognóstico para os argentinos, entretanto, é melhor que para os vizinhos.

O efeito Macri agrada ao FMI. Em seu relatório, o Fundo louva a sua “ambiciosa transição” e suas medidas para reativar o investimento e a competitividade, da redução da taxa de câmbio ao aumento das tarifas de serviços públicos.

“A mudança de Administração veio acompanhada de uma mudança muito importante na política econômica, que permitirá reduzir a inflação, conter o déficit público e reinserir a Argentina nos mercados internacionais. Isso gerará um aumento do investimento e um crescimento em 2017”, afirma o diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental, Alejandro Werner.

Brasil, Venezuela, Argentina e Equador: estes são, portanto, os países que impedem a recuperação latino-americana neste ano. Mas outros avançam normalmente e mostram a poliédrica realidade do hemisfério. O México é um deles. A previsão de crescimento do PIB, de 2,4% para este ano, o deixa em águas tranquilas, praticamente repetindo o resultado de 2015 – o que, num horizonte recessivo e com uma forte crise do petróleo, poderia ser visto como uma boa notícia, com um senão: o México tem 55 milhões de pessoas pobres, sendo 20% delas em situação de miséria, um buraco que limita qualquer empurrão a 3%.

A possibilidade de superar este teto, um dos grandes desafios mexicanos, é vista com otimismo no FMI. “Os desafios do México são ajustar as finanças públicas à queda do preço do petróleo e continuar desenvolvendo as reformas estruturais em energia, telecomunicações e educação. Estas mudanças, mais o comportamento positivo dos Estados Unidos, permitirão uma aceleração e um bom caminho de crescimento sustentado nos próximos cinco anos”, disse Werner.

O quadro geral também melhora em médio prazo. Para 2017, o FMI prevê que a recessão já terá terminado na América Latina. México, América Central e o Caribe seguirão no vácuo dos Estados Unidos, em plena expansão, ao passo que o Hemisfério Austral se ressentirá da desaceleração chinesa e só poderá sair do atoleiro “quando tiver resolvido seus desafios internos” – os quais, no caso do Brasil e da Venezuela, continuam sem solução.

Arquivado Em: