Servidores declaram guerra ao pacote de austeridade e centro do Rio vive caos

Centro da capital vive cinco horas de conflito em nova manifestação de servidores contra cortes

Policiais que atuaram na proteção à Assembleia e repressão aos manifestantes.
Policiais que atuaram na proteção à Assembleia e repressão aos manifestantes.Mario Tama (Getty Images)

Não era a primeira vez que policiais reprimiam os protestos dos próprios colegas de farda – no último dia 16, depois de um grupo de manifestantes derrubar a grade que protege a Alerj, a PM respondeu com uma chuva de bombas –, mas dessa vez muitos dos servidores, com seus salários atrasados e ameaçados, se mantiveram na rua, apesar do ar ficar por vezes irrespirável e de ser alto o risco de ser atingido pelo impacto de bombas de gás ou balas de borracha. O conflito, que começou por volta das 13 horas, estendeu-se até o fim do expediente, num bairro com altíssima concentração de escritórios, e impediu centenas de trabalhadores, muitos em pânico, de voltarem para as suas casas.

Mais informações

Tentando se proteger em uma coluna de mármore do avanço da Tropa de Choque, uma policial civil à paisana resgatava do bolso sua camisa cinza da corporação para proteger o rosto do ardor da fumaça. “Seguro aqui por dignidade. Porque o Estado do Rio não está dando condição nenhuma de manter nossas famílias atrasando salários e parcelando o décimo terceiro”, explica ela, que trabalha em uma das delegacias de homicídios que mais mortes registra do Estado. “Estamos cansados. Vamos resistir. Já levei tiro de verdade na perna. Não tenho medo de bala de borracha, não”, sentenciou.

Convocado às 10h, o protesto virou conflito cerca de três horas depois, quando um grupo tentou derrubar uma das grades que protege o prédio da Assembleia desde o dia 13 de novembro para evitar a entrada violenta de manifestantes. O clima nesta terça era mais tenso que nos últimos protestos, pois no interior da Alerj os deputados se preparavam para o primeiro dia de votação de uma parte das medidas de ajuste de gastos propostas pelo Governo, que deve entrar em 2017 com um déficit de 17,5 bilhões reais nas contas públicas estaduais.

As medidas votadas nesta terça não eram as mais polêmicas e criticadas pelos manifestantes, como o aumento da contribuição previdenciária dos servidores de 11% para 14%. Votava-se, enquanto a polícia atirava, mudanças e cortes de algumas despesas da própria Alerj e o corte de 30% dos salários do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) e de dos seus secretários. O objetivo dos manifestantes, porém, era não diminuir a pressão em nenhum momento. Quem participa dos protestos quer a retirada completa do pacote de austeridade, já desfigurado pela resistência das ruas e a oposição dos próprios deputados em aprová-lo.

Repressão e reação

Os policiais chegaram a usar a Igreja de São José, a poucos metros da Assembleia, como ponto de tiro. Agentes foram flagrados nas sacadas do templo atirando diretamente contra a multidão. Uma parte dos manifestantes – entre eles bombeiros, agentes penitenciários, policiais, estudantes e mascarados sem aparente relação com o protesto – reagiu. Lançaram rojões contra os policiais, fogos de artifício, incendiaram barricadas, conteiners de lixo e quebraram mobiliário urbano.

Manifestantes próximo à Assembleia.
Manifestantes próximo à Assembleia.YASUYOSHI CHIBA (AFP)

Era uma clara demonstração de força, segundo um dos manifestantes. “Isto é um ato de resistência, vamos demonstrar ao Governo que não aceitaremos nenhuma dessas medidas. Não cabe a nós arcar com os desmandos do poder público, não vamos cobrir esse buraco. O Governo não tem mais legitimidade, nem na ditadura vi tanta repressão como hoje. Se o comando da polícia reage com esse excesso de força, aqui estamos nós, esta é nossa demonstração de força. Depois de quatro horas resistindo, acho que o movimento já saiu vitorioso”, relatava o agente penitenciário Antônio César Dória, vestido de preto e portando luvas e óculos para se proteger do gás.

A batalha teve feridos e nove detidos. Pelo menos 11 policiais em serviço ficaram machucados, segundo a corporação e, nas ruas, não era raro ver manifestantes atingidos por estilhaços de bomba. Também trabalhadores. Sentado numa banqueta branca de plástico, sem se separar do seu carrinho de bebidas, Juvenal Alves, de 59 anos, mostrava a marca do impacto de duas bombas de gás nas suas costas. Ele demorou a perceber a chegada dos fardados em uma das ruas próximas da Assembleia e foi atingido, pelas costas. “Doeu quando me atingiu, mas agora estou bem. Preciso ficar aqui para trabalhar, não tenho como voltar para casa”, dizia resignado.

Enquanto a guerra continuava, Adriana Ancelmo, a mulher do ex-governador Sérgio Cabral, preso no dia 17, tinha a prisão preventiva decretada por suspeita de lavagem de dinheiro. Ela, assim como o seu marido, é um dos alvos da Operação Calicute, um braço da Lava Jato que investiga o desvio de mais de 220 milhões de reais em propinas. “Eles estão querendo recuperar a roubalheira dos nosso salários, mas não vai ser com a gente que vão cobrir o buraco”, criticava o subtenente Roberson, do Corpo dos Bombeiros, que deixou a mulher no hospital para participar do protesto. “Esse final de semana fui consertar o pneu da minha bicicleta e sabe o que? Não consegui pagar! Tive que deixar fiado. Eram cinco reais! Cinco reais!”