Papa compara consumo de notícias falsas com comer fezes

Pontífice pede aos meios de comunicação a deixar os conteúdos sem valor informativo

Uma pessoa tira uma foto do papa Francisco no Vaticano.
Uma pessoa tira uma foto do papa Francisco no Vaticano.AFP
Mais informações

O papa Francisco comparou os meios de comunicação que divulgam rumores sem fundamento e escândalos falsos com as pessoas que têm uma fixação sexual com os excrementos. Jorge Mario Bergoglio acrescentou que consumir notícias falsas é como comer fezes e lamentou o aumento da “desinformação” e sua possível influência nas eleições presidenciais dos EUA.

“A desinformação é provavelmente o maior pecado que um meio de comunicação pode cometer, porque dirige a opinião pública e uma direção única e omite parte da verdade”, observou em uma entrevista para a publicação belga Tertio, publicada na quarta-feira. O pontífice instou os veículos de comunicação a fazerem um jornalismo mais claro, transparente e a não cair na coprofilia, a atração pelo fecal.

As notícias falsas têm sido objeto de atenção nas últimas semanas, especialmente na imprensa anglo-saxônica, depois que foram apontadas como um possível fator na determinação da saída do Reino Unido da União Europeia e na vitória de Donald Trump nas eleições de 8 de novembro passado.

"A desinformação é provavelmente o maior pecado que um meio de comunicação pode comete"

Esta não foi a primeira vez em que o Papa se referiu nesses termos ao impacto das notícias falsas. “Os jornalistas se arriscam a contrair a doença da coprofilia e, assim, fomentar a coprofagia (consumo de fezes), que é um pecado que afeta homens e mulheres”, disse ele ao jornal La Stampa um ano antes de ter sido eleito como líder maior da Igreja Católica.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: